Distribuição de obras LGBT gera filas e mercado de troca na Bienal do Livro

Entrega gratuita dos livros durou duas horas e foi iniciativa do youtuber Felipe Neto

Bruno Molinero
Rio de Janeiro

"Pô, corre lá na fila, ainda dá tempo de pegar mais um", dizia Josiane Lopes, 35, com nove livros na mão. 

A secretária chegou cedo à Bienal do Livro do Rio de Janeiro neste sábado (7), acompanhada de seus três sobrinhos. E, quando descobriu que uma distribuição de livros com temática LGBT estava marcada para o meio dia, ela e as crianças passaram várias vezes na fila para receber os títulos.​

 

A entrega gratuita das obras durou duas horas e foi iniciativa do youtuber Felipe Neto como resposta à tentativa de censura do prefeito do Rio, Marcelo Crivella, à Bienal. Em vídeo, Crivella exibiu uma HQ com beijo gay vendida no evento e ameaçou recolher os exemplares ou lacrar os livros.

Nesta sexta, fiscais da prefeitura chegaram a visitar a feira para buscar obras com conteúdo considerado impróprio para menores de idade, o que gerou reações de editoras, da organização do evento e do Tribunal de Justiça, que concedeu liminar impedindo que a prefeitura recolhesse os livros.

Foi depois disso que Felipe Neto anunciou que compraria 10 mil obras com personagens ou temas LGBT para distribuir gratuitamente na Bienal. No fim, aumentou esse número para mais de 14 mil exemplares --todos entregues lacrados, em resposta à exigência de Crivella.

O anúncio poderia gerar um tumulto sem fim, mas a distribuição ocorreu sem maiores problemas. Os livros empacotados foram colocados no centro de uma praça no Rio Centro, onde acontece a Bienal, e duas filas foram formadas para as pessoas receberem os exemplares. O tempo de espera não passava de dez minutos.

Como os livros entregues eram voltados ao público juvenil, a maior parte da fila foi formada por adolescentes —alguns com bandeira do orgulho LGBT ou vestindo acessórios com as cores do arco-íris.

"É muito bom ganhar livros, mas vim aqui para mostrar que ninguém vai poder nos calar", falou Amanda Carvalho, 17, que foi à Bienal com a namorada, Nathalia Lemos, 20. As duas usavam fitinhas coloridas.

O pouco tempo de espera na fila fez com que muitos visitantes conseguissem pegar mais de um exemplar. Com isso, a praça da Bienal virou uma espécie de mercado de escambo, com pessoas trocando livros repetidos como se trocassem figurinhas.

Para trocar, bastava levantar o livro do qual gostaria de se desfazer. Em pouco tempo aparecia alguém com alguma proposta.

Josiane, a tia que visitou o evento com os três sobrinhos, era uma dessas pessoas com livro levantado. Queria trocar o repetido "Ninguém Nasce Herói", de Eric Novello (ed. Seguinte), por algum título da Thalita Rebouças.

"O prefeito pode não gostar de gays, mas não pode impedir nenhum livro. Deus quer que as pessoas sejam felizes", disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.