Descrição de chapéu Livros

Fiscais da prefeitura voltam à Bienal para recolher livros com temática LGBT

Após decisão da Justiça, funcionários chegaram na tarde de sábado (7) à feira literária

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Funcionários da Secretaria Municipal da Ordem Pública da prefeitura do Rio de Janeiro chegaram na tarde deste sábado (7) à Bienal do Livro para fiscalizar obras vendidas e recolher livros com temática LGBT ou que sejam considerados impróprios para crianças que não estejam lacrados.

agente do estado
Subsecretário de operações da Secretaria Municipal de Ordem Pública, o coronel Wolney Dias, em ação de fiscalização na Bienal do Rio - Bruno Molinero/Folhapress

Segundo o evento, eles chegaram à feira por volta das 18h e se reuniram com a organização da Bienal e com a vice-presidente do Snel (Sindicato Nacional dos Editores de Livros), Mariana Zahar, para discutir como fazer a fiscalização e garantir a segurança das pessoas.

A reunião durou cerca de duas horas. Pouco depois das 20h, representantes da Secretaria de Ordem Pública deram início à fiscalização de livros.

A demora ocorreu devido às negociações sobre como evitar tumultos pelos corredores, já que este sábado (7) foi o mais cheio da feira. Por isso, todos os fiscais circularam à paisana. A Folha identificou pelo menos um deles caminhando pelo local. Mas nenhuma editora procurada pela reportagem relatou ter sido procurada para qualquer fiscalização.

A equipe da prefeitura ficou na Bienal até o fim do evento, às 22h, e não falou com a imprensa nem informou se encontrou qualquer obra imprópria.

Segundo Mariana Zahar, vice-presidente do Snel (Sindicato Nacional dos Editores de Livros), que é um dos organizadores da Bienal, a prefeitura procurava o mesmo livro que gerou a reação contrária de Marcelo Crivella e já não havia sido encontrado na fiscalização de sexta-feira (6): a HQ "Vingadores - A Cruzada das Crianças".

"Não é a Bienal que está sendo censurada, é a literatura e os livros. A Bienal é um símbolo de diversidade que está sendo atacado", disse Zahar. "Desde a ditadura a gente não vive o que estamos vivendo agora."

A ação ocorre após o Tribunal de Justiça do Rio derrubar a liminar que impedia que a prefeitura recolhesse ou lacrasse livros no evento. Em nota, a Bienal disse que vai recorrer ao STF para que impeça novas ações da prefeitura e tentativas de censura.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.