Descrição de chapéu

Supervilões da vida real é que fazem cara feia aos heróis gays

A tentativa de censura na Bienal do Livro do Rio de Janeiro cheira a mofo, como gibis antigos

Diogo Bercito

A tentativa de censurar o beijo de dois super-heróis na Bienal do Livro cheira a mofo, como uma revistinha cujas páginas amarelaram.

A questão pode ter parecido urgente à Prefeitura do Rio de Janeiro, que mandou retirar os exemplares —mas, nos Estados Unidos, já não há nada de novo em celebrar a diversidade sexual desses personagens.

A história em quadrinhos que escandalizou a prefeitura, “Vingadores - A Cruzada das Crianças”, foi originalmente publicada em 2010 no país de Donald Trump. O “polêmico” beijo gay em questão foi dado pelos super-heróis Wiccano e Hulkling, membros da equipe dos Jovens Vingadores.

Página do quadrinho "Vingadores - A Cruzada das Crianças"
Página do quadrinho "Vingadores - A Cruzada das Crianças" - Reprodução

O prefeito descreveu aquilo como um “conteúdo sexual” impróprio para menores. Tanto Wiccano quanto Hulkling estavam vestidos.

O espanto com o fato de que heróis —homens musculosos vestindo roupas coloridas e apertadas— podem ser gays chega tarde. Eles começaram a sair do armário há mais de duas décadas.

Um dos pioneiros foi o mutante Estrela Polar, da Marvel. Ele deixou clara sua orientação sexual em 1992. Em 2012, o rapaz se casou como namorado Kyle Jinadu, no que foi considerado o primeiro supermatrimônio da história das HQs.

Desde então, quadrinistas ampliaram o colorido da sexualidade de seus personagens. A Arlequina largou o Coringa, vilão do Batman, e deu um beijaço na Hera Venenosa. O debochado Deadpool, por outro lado, virou pansexual. Segundo seus roteiristas, ele sente atração por todo o mundo.

Há um valor evidente em retratar as diversas orientações sexuais nas revistinhas. Dessa forma, as páginas dos gibis reproduzem de maneira mais fiel a variedade de seus leitores. Se não for pela justiça social, é ao menos pelo interesse capitalista. Os gibis com beijos ou casamentos entre heróis do mesmo sexo se esgotam, numa era em que pouca gente ainda compra HQ.

O fenômeno ocorre em paralelo à valorização de personagens negros e mulheres nos filmes de heróis, caso de “Pantera Negra”, do ano passado, e “Capitã Marvel”, deste ano. Personagens muçulmanos e latinos também ganham espaço.

O processo, sim, às vezes encontra barreiras. Há, eventualmente, os super-vilões da vida real que fazem cara feia diante de super-heróis homossexuais. Gente que se importa com quem um personagem de revistinha dorme.

Foi o caso, por exemplo, de quando a editora Marvel decidiu revelar em 2015 que o mutante Homem de Gelo é gay.

A revelação de sua sexualidade não foi exatamente voluntária. Sua colega Jean Grey, que tem o poder de ler mentes, bisbilhotou seu cérebro e descobriu a informação. “Bobby, você é gay”, ela avisou, dando de ombros.

Alguns fãs, no entanto, ficaram fulos. O personagem existe desde 1963 e foi sempre tratado como heterossexual. Sua homossexualidade incomodou porque, de certa forma, contrariava as histórias anteriores em que o Homem de Gelo tinha tido relações com mulheres. Mas os quadrinistas não voltaram atrás —e lembraram os leitores de que tem gente que passa anos no escuro mesmo. Nada de tão incomum.

Fãs celebraram, naquele episódio, o fato de que justamente um membro dos X-Men era gay. Afinal, os heróis mutantes passam a vida lutando para serem aceitos pelos humanos, algo com que os leitores homossexuais podem se identificar.

A homossexualidade do Homem de Gelo teve, ainda, bastante impacto por que o personagem é um dos membros originais dos X-Men,um dos carros-chefe da Marvel. Ao contrário do Wiccano e do Hulkling, cujo beijo o prefeito quis censurar, ele é um ícone das HQs. Sua sexualidade importa mais.

Dessa maneira, o anúncio foi visto como um possível sinal de que a editora está se modernizando. Pode ser o prenúncio, afinal, para que um dos grandes heróis da casa seja gay. Finalmente, aliás. Há inclusive boatos de que o Homem-Aranha pode ter um romance gay nos filmes. O ator Tom Holland, que interpreta o super-herói saltitante nas telonas, disse que não vê problema algum nisso. Essa, sim, seria uma novidade nas revistinhas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.