Descrição de chapéu DeltaFolha

Brasileiros são os que mais ouvem a própria música entre todos os países

Levantamento com base nos hits do Spotify mostra que nenhum outro povo ouve tanto suas canções nacionais

Fotografia de cantores de vários lugares do mundo

Folhapress

Lucas Brêda
São Paulo

Brasileiro gosta de música brasileira. A constatação é evidente quando damos uma passada pela programação da maioria das rádios.

Mas, desde a virada do século, a indústria vem passando por mudanças profundas. Nesta década, as gravadoras deixaram de lado os suportes físicos —CD, vinil— para enfim se estabelecer na internet, com o streaming já alcançando o rádio em tamanho por aqui.

Ouvir música no YouTube ou em plataformas especializadas vem se tornando regra, depois dos anos de crise com downloads ilegais e pirataria.

Um levantamento feito pelo DeltaFolha, baseado nas faixas mais tocadas no Spotify —mais popular streaming de música— em diversos países confirma a percepção. Ou seja, mesmo com a globalização e o maior acesso à internet, o brasileiro continua preferindo a música brasileira.

“Seja porque nossa língua nos separa da América Latina, seja pelas nossas dimensões continentais, a música brasileira sempre foi muito mais importante do que qualquer outra para nós”, diz Eduardo Vicente, doutor em ciência da comunicação pela USP e pesquisador de música popular. “Nenhum país na América Latina tem um percentual de consumo de repertório doméstico como o nosso. Podemos nos comparar a Estados Unidos, Japão, países da Europa.”

O comportamento do brasileiro ao consumir música, e como os nossos sons chegam a outros países, é tema da série de reportagens Música sem Fronteiras, que a Folha publica a partir desta semana. 

A primeira parte aborda o isolamento brasileiro. Hits no Spotify por aqui dificilmente são sucesso lá fora e vice-versa.

Além da língua, Vicente acredita que a nossa dificuldade de exportação tenha a ver com a indústria. “O Brasil era um mercado bom para empresas internacionais”, diz. “Mas elas não tinham interesse em concorrer com outros artistas lá fora.”

Apesar da importância de alguns selos nacionais, a música brasileira, a partir dos anos 1960, foi basicamente administrada por gravadoras internacionais —que ganharam dinheiro gravando artistas daqui.

Hoje, o funk até consegue chegar às paradas de países da América Latina, mas o sucesso internacional da nossa produção ainda é limitado a hits e situações pontuais. Como, aliás, havia sido com a bossa nova.
Só que o isolamento mostrado pelos números tem mais a ver com a preferência por música nacional do que com a ausência de hits no exterior.

Um estudo do Nopem, o Nelson Oliveira Pesquisas de Mercado, que lista, por ano, os discos mais vendidos no país desde 1965, mostra os artistas brasileiros como maioria. Até sucessos gringos bombaram por aqui em versões traduzidas, comuns desde o começo do século passado até o “shallow now de Paula Fernandes.

A maior entrada de sons estrangeiros, diz Vicente, aconteceu com as compilações, das trilhas de filmes e novelas e coletâneas de gênero. Nos anos 1960, músicas em italiano, francês e espanhol eram mais frequentes. A partir dos anos 1970, faixas em inglês passaram a ser dominantes.

Curiosamente, bandas de rock tradicionais como Rolling Stones e Led Zeppelin nem sequer aparecem nas listas do Nopem. Em compensação, cantores de baladas como Elton John e Barbra Streisand são nomes frequentes.

Até no rock mais pesado, bandas com um pé na música romântica, como Bon Jovi e Scorpions, fizeram mais sucesso por aqui. Somam-se a eles fenômenos adolescentes como Menudos e o jazz suave de Kenny G. 

Nosso apreço pela black music também é uma particularidade. Se o Pink Floyd não aparece nas listas do Nopem —feita não com números oficiais de gravadoras, muitas vezes inflados, mas com dados das lojas de discos—, cantores como Stevie Wonder, Michael Jackson e Lionel Ritchie têm vários álbuns entre os mais vendidos.

“Até o sertanejo já teve fases de influências da música paraguaia, mexicana e do country americano”, diz Vicente. “Além de fazermos versões, ‘imitando’ o artista internacional, temos forte essa cultura de absorção.”

Para o professor, assim como acreditavam os tropicalistas, a música internacional entrou no Brasil misturada — ou “antropofagizada”.

“Conseguimos criar um rock brasileiro, um rap e um funk brasileiro, e todos venderam muito”, diz. “É possível que o punk nunca tenha chegado à massa, mas quem ouviu fez bandas punk brasileiras que chegaram a muita gente.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.