Descrição de chapéu Livros

Com o slogan paz e amor, Nilo Peçanha foi o primeiro presidente de perfil popular do Brasil

Em junho de 1909, a morte de Afonso Pena levou o seu vice ao poder

Naief Haddad
São Paulo

Na campanha presidencial de 2002, durante uma visita a Rio Branco (AC), o candidato Luiz Inácio Lula da Silva disse uma frase que se tornaria famosa: “Lulinha agora é paz e amor”. 

Fazia parte de uma estratégia de suavização da imagem do petista, que já tinha sido derrotado em três disputas anteriores para o Planalto. 

Funcionou: Lula saiu vitorioso. Não era a primeira vez que a expressão aparecia associada ao exercício da Presidência da República. 

Em junho de 1909, a morte de Afonso Pena levou o seu vice, Nilo Peçanha, ao poder. Ao ser perguntado sobre as bases da sua administração, o advogado fluminense respondeu: “paz e amor”. A expressão se tornou seu slogan ao longo do mandato de 17 meses. 

Afonso Pena e Nilo Peçanha são os temas do sexto volume da Coleção Folha - A República Brasileira.

Escrito pelo historiador Pietro Sant’Anna, o livro chega às bancas neste domingo, dia 20. 

“Por debaixo do lema singelo, se vislumbra uma tendência nova na política republicana: para muitos historiadores e biógrafos, Nilo Peçanha foi o primeiro presidente brasileiro de caráter mais popular —ou ‘populista’, como em geral preferem os críticos”, escreve Sant’Anna. 

Peçanha gostava de andar pelas ruas do Rio de Janeiro, parando em bares e lojas para conversar. Bom orador, discursava com frequência nas praças da cidade. 

Uma das principais marcas do seu governo foi a criação, em 1910, do Serviço de Proteção ao Índio (SPI), 
precursor da Funai. O primeiro dirigente da instituição foi o marechal Cândido Rondon. 

Um ano antes, Peçanha havia fundado a Escola de Aprendizes e Artífices, a primeira instituição brasileira de ensino técnico sem caráter militar.  

Os volumes podem ser comprados pelo telefone, pelo site, em bancas ou em livrarias: 

  • folha.com.br/republica;
  • tels. (11) 3224-3090 (na Grande SP) e 0800-775-8080 (outras localidades)
  • O lançamento nacional acontece neste domingo(22). A cada semana um novo volume chega às bancas.
  • A venda não é restrita aos assinantes da Folha.

Veja os preços:

  • Cada volume custa R$ 21,90 nos estados de SP, RJ, MG e PR. Para os demais estados, os valores estão disponíveis no site;
  • Na compra do primeiro volume, o segundo é gratuito;
  • Para a compra da coleção completa (28 livros), assinantes da Folha ou do UOL pagam R$ 591,30 (nesse caso, 4 livros são gratuitos);
  • Para os não assinantes, R$ 591,30 (frete gratuito para SP, RJ, MG e PR). Nos demais estados, os valores estão disponíveis no site ou SAA;
  • Na compra da coleção completa, é possível parcelar em até 10 vezes no cartão de crédito;
  • A coleção também é vendida em lotes de 7 livros cada ou volumes individuais.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.