Evento de degustação quer levar vinhos para o público mais amplo

Adega Folha Tasting reúne cerca de 30 expositores da bebida, com rótulos de diversas origens, na Vila Olímpia

Daniela Arcanjo
São Paulo

O início da história de Christian Burgos no universo do vinho coincide com o encontro com sua mulher. “Eu me apaixonei por alguém que gosta de vinhos, então o que me motivou inicialmente foi sair com ela e compartilhar algo de que ela gostava”, conta.

Há 14 anos ele fundou a revista Adega e hoje faz parte da organização do Adega Folha Tasting, evento promovido pela publicação em parceria com o Clube Adega e com a Folha. O objetivo é reunir neste sábado (19) cerca de 30 expositores da bebida na Vila Olímpia, em São Paulo.

O primeiro lote de ingressos custa R$ 150 reais. Assinantes da Folha ou da revista Adega e associados ao Clube Adega têm desconto de R$ 50. 

Itália, Portugal e África do Sul são alguns dos países de origem dos produtores que estarão presentes. “É uma oportunidade para quem gosta da bebida ir a um lugar só e degustar vinhos de diversos países, apresentados diretamente pelos embaixadores das marcas. É como se você fizesse uma viagem no mundo do vinho em um dia”, diz Burgos.

Além da bebida, o público poderá comprar queijos e pães artesanais, sorvetes da chef Marcia Garbin e sanduíches da lanchonete Matilda, de Renata Vanzetto.

A feira está sendo planejada desde o ano passado e será uma espécie de encerramento de outro grande evento —o Provino, este voltado aos produtores. “Eu adorei a ideia de levar a cultura do vinho para um público mais amplo, dar a oportunidade de mais gente ingressar neste mundo”, afirma o organizador.

Em 2018, cada brasileiro bebeu, em média, 1,93 litro de vinho, segundo levantamento da Ideal Consultoria.

Apesar de o número ser pequeno quando comparado ao de outros países que têm mais tradição na vinicultura, ele representa um aumento de 27% no consumo per capita nos últimos cinco anos.

A sommelière e pesquisadora Patrícia de Gomensoro, que acompanha o mercado de perto, diz perceber essa mudança no Brasil. Ela afirma que houve um grande aumento logo após a abertura do mercado nacional, nas décadas de 1980 e 1990. Antes disso, o vinho era mais restrito a pessoas de classes sociais mais altas ou a comunidades tradicionais, especialmente no sul do país, que o produzem e bebem diariamente.

Pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em 2006, ela estudou as reuniões de uma confraria, espécie de clube amador de vinho. Gomensoro afirma que esses espaços de degustação, como será a feira, são lúdicos, e o vinho vira um motivo para socializar e aprender.

“Eu percebia um jogo nesses encontros, de experimentar o vinho e tentar dizer as características da marca. Além disso, todo apreciador vai falar que o vinho é convivial. Se olharmos a história do vinho, ele sempre foi tomado em grupo”, afirma a pesquisadora.

O estande da Associação Brasileira de Sommeliers, a ABS, vai trazer esse caráter lúdico para o evento, por meio de um jogo em que os visitantes testam seus conhecimentos. Haverá prêmios de degustação para os que se saírem melhor.

Arthur Piccolomini de Azevedo, vice-diretor da ABS, afirma que o evento pode ser um primeiro contato para as pessoas entrarem na associação, como aconteceu com ele. Médico de formação e atuando na área desde a década de 1970, ele estava em uma feira da bebida em 1995, em São Paulo, quando encontrou antigos amigos da faculdade. A partir daí, começou se envolver com a organização.

Ele conta que, à medida que se interessava mais por vinho, passava a prestar mais atenção ao próprio paladar. “O vinho desperta interesse pelos aromas, pelos sabores. É muito comum tomar e lembrar do gosto de uma fruta que se comia na infância, da geleia que a avó fazia”, afirma.

“O vinho está na nossa cultura há mais de 8.000 anos. Está ligado à gastronomia, à terra, à economia. Ele congrega os amigos, é algo universal. Quem gosta de natureza encontra no vinho essa paixão. É um caminho sem volta.”

Além dos expositores, o evento também terá masterclasses sobre a bebida. A primeira, às 14h30, tratará do perfil e dos estilos das casas de vinho do Porto. O segundo, marcado para 16h, abordará especificamente a Croft, a casa do Porto mais antiga do mundo.

Às 17h, será a vez de o chileno Patricio Tapia, autor de “Descorchados”, guia de vinhos do continente, falar dos destaques entre os rótulos produzidos na América do Sul.

Adega Folha Tasting

  • Quando Sáb. (19), das 13h às 21h
  • Onde Villaggio JK, r. Funchal, 500, Vila Olímpia
  • Preço R$ 150 a R$ 200. Assinantes da Folha ou da revista Adega e associados ao Clube Adega têm desconto de R$ 50 (o código precisa ser solicitado no email adega_folha_tasting@innereditora.com.br)
  • Classificação 18 anos
Erramos: o texto foi alterado

Haverá ingressos à venda no local. O texto foi corrigido

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.