Descrição de chapéu
Livros

Harold Bloom unia senso de humor, memória e doses de afronta

Para ele, os estudos literários correm risco de extinção, mas sucesso de sua própria obra parece eloquente prova em contrário

Arthur Nestrovski

Antes de se tornar um autor best-seller, por obras como “O Livro de Jó” (1990) e “O Cânone Ocidental” (1994), o próprio Harold Bloom costumava dizer que, independentemente do que mais fizesse, seria lembrado, afinal, por um único livro: “A Angústia da Influência”. 

Escrito em menos de uma semana, em 1973, o pequeno tratado sobre a tortuosa relação entre autores que se sucedem uns aos outros viria a ser traduzido para mais de quatro dezenas de idiomas e 
carrega hoje a distinção de um clássico da teoria literária.

O livro foi o primeiro de uma “tetralogia da influência”, que está por trás de quase tudo o que ele escreveu —seja sobre literatura, seja sobre política e religião, entre outros assuntos; seja nas dezenas de livros autorais, seja nas centenas de outros livros que organizou, seja ainda nas resenhas, textos curtos e entrevistas que produziu com energia intelectual única. 

Isso sem falar nas lendárias aulas, na Universidade Yale e também (por alguns anos) na Universidade de Nova York. Bloom era uma força da natureza, conjugando memória verbal sobre-humana 
com enorme senso de humor e iguais doses de afronta.

Resumida ao essencial, “A Angústia da Influência” descreve, em termos tirados da psicanálise e da cabala judaica, a relação entre o “poeta forte” e o “efebo” que lhe segue. Em sua teoria, todo autor vem de outro autor, e o novo poeta só se torna quem é quando tem força para deixar escutar a voz do precursor na sua própria voz, sem se deixar dominar por ela. O processo pode levar tempo. E tende a ser reprimido, como as tramas familiares na psicanálise freudiana.

A teoria se aplica não só à literatura —é uma teoria da existência. E a influência dessa teoria seria grande e variada. 

Inspirou diretamente a peça “Rancor” (1993), de Otavio Frias Filho —que, além de dramaturgo, foi diretor de Redação da Folha—, para ficar neste exemplo próximo. A peça traduz as agruras da influência para o campo do teatro, confundindo bastidores e cena. Bloom soube da peça, na época, e se divertiu com a ideia. 

Não muito depois, viria a se tornar colaborador do caderno Mais!, desta Folha.

Um conto famoso do escritor argentino Jorge Luis Borges imagina um homem, “Funes, el Memorioso”, capaz de lembrar de absolutamente tudo o que vive, e os terrores dessa memória total. 

Para os que o conheceram, Bloom, como leitor, parecia um Funes. Seus críticos, que não eram poucos, acusavam a teoria de só fazer sentido para um leitor assim, capaz de ouvir ecos e acentos de toda a literatura a cada novo texto.

Parece menos uma crítica do que involuntária expressão de apreço, numa ironia tipicamente “bloomiana”. Mas falta aí o reconhecimento da dimensão literária e humana da sua escrita. Raros autores foram capazes de escrever com semelhante verve sobre tantas obras e tantos assuntos, e com tamanho gosto. 

A prosa de Bloom é um influxo de vida. Só pode ser comparada a seu talento de orador, capaz de falar de improviso por mais de uma hora como se estivesse lendo um texto, citando longos poemas, sem consultar uma única página.

Vai daí também sua pouca paciência com os rumos da crítica literária, que há muito se abriu para outras áreas, dos estudos culturais ao feminismo. Para ele, os estudos literários correm risco de extinção, mas o sucesso de sua própria obra, com públicos hoje que se multiplicam para muito além dos foros de 
especialistas, parece eloquente prova em contrário. 

A crítica não vai acabar porque a literatura não vai acabar. 

E a crítica, com autores como Bloom, se confunde com a própria literatura.

Arthur Nestrovski é diretor artístico da Osesp. Editou e traduziu ‘A Angústia da Influência’, de Bloom, além de ensaios do crítico publicados na Folha entre 1992 e 1999

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.