Ministério Público Federal ajuíza ação contra Caixa Cultural por censura

Procuradoria de Pernambuco requer que peça 'Abrazo', cancelada em setembro, seja retomada

Cena da peça 'Abrazo', da companhia Clowns de Shakespeare - Rafael Telles/Divulgação
São Paulo

O Ministério Público Federal em Pernambuco divulgou nesta sexta (4) que foi ajuizada ação civil pública contra a Caixa Econômica Federal por causa do cancelamento "abrupto" da peça infantojuvenil "Abrazo", do grupo Clowns de Shakespeare.

A ação requer que seja retomada a exibição do espetáculo em espaço da Caixa Cultural, no Recife, ou em outro teatro, às custas da estatal.

Em setembro, o MPF já havia expedido recomendação à Caixa neste sentido, mas a peça não voltou ao cartaz.

Ela foi cancelada pelo centro cultural mantido pelo banco após fazer sua primeira sessão, em temporada prevista em contrato. Segundo a Caixa, a suspensão foi motivada por uma infração contratual do grupo. Eles teriam prejudicado a imagem da estatal, segunda informou a assessoria de imprensa da empresa.

A peça fala sobre personagens que vivem em uma ditadura. Questionada pela Folha, a Caixa não informou qual foi o conteúdo que incomodou seus gerentes e programadores. Disse apenas que algo foi dito durante um bate-papo realizado após a estreia em setembro. 

De acordo com o MPF, "configurou-se a prática de censura, vedada pela Constituição da República, que garante que a manifestação de pensamento, criação, expressão e informação não sofrerão nenhum tipo de restrição".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.