Projetos no Brasil e nos EUA lutam contra o racismo por meio da distribuição de livros

Iniciativas aparecem em Porto Alegre e nas cidades americanas de Chicago e Evanston

Paula Sperb
Porto Alegre

O poeta baiano Castro Alves, que se insurgiu contra a escravidão, era também um defensor da cultura e sua difusão.

No Rio Grande do Sul, a pesquisadora Winnie Bueno quer combater o racismo por meio da distribuição de livros para pessoas negras. Cerca de mil títulos chegaram aos destinatários desde 20 de novembro do ano passado, Dia da Consciência Negra.

“Percebi pessoas brancas publicando mensagens de antirracismo no Twitter. Comentei que seria mais útil doar um livro para quem precisasse. Desde então, conecto voluntários com as pessoas negras que precisam”, diz.

A iniciativa ganhou o nome de Tinder dos Livros, porque conecta leitor, livro e doador. Mas a conexão não ocorre por meio de aplicativo, mas pela própria Winnie, que divide seu tempo de ativista e doutoranda em sociologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Winnie Bueno, 31, de Porto Alegre, lançou Tinder dos Livros para doar obras para pessoas negras como forma de combater racismo estrutural - Arquivo pessoal

“É o livro que a pessoa precisa. Não é só repassar os livros que não quer mais para uma instituição. A maioria dos pedidos é por intelectuais negros”, afirma. Outros pedidos comuns vêm de universitários que precisam de obras que vão de microbiologia, fisiologia às obras dos cursos de direito. 

O motivo para distribuir publicações, explica Winnie, é porque “livros são revolucionários”. “O livro possibilita a emancipação intelectual.” 

Para ela, eles serviram de refúgio a infância e adolescência vividas no interior, onde era a única criança negra da escola. “Os livros me ajudaram a entender o mundo e, nos momentos de solidão, era para o livro que corria”, lembra. Sua mãe se esforçava para encontrar obras com protagonistas negros.

É importante para crianças negras o acesso a livros infantis com protagonistas negros. Por isso, o projeto Young, Black & Lit, que atua principalmente nas cidades americanas de Chicago e Evanston, se dedica a doar obras com essa característica. 

“Pesquisadores concordam que quando livros servem de espelhos para as crianças verem a si mesmas, suas famílias e comunidades refletidas, elas se sentem valorizadas. Quando permitem que vejam semelhanças e diferenças que têm com outras culturas, elas se sentem conectadas”, diz Krenice Roseman, cofundadora do projeto.

A iniciativa já presenteou 1.829 livros desde maio de 2018. Uma das formas de doação é por meio de feiras em comunidades, onde as crianças escolhem os livros.

“A identificação com os personagens também aumenta as chances das crianças se tornarem leitoras ao longo da vida”, diz Roseman. 

Em Porto Alegre, outro projeto leva livros a quem quer ler. A pedagoga Vitória Sant’anna decidiu criar uma biblioteca no seu condomínio, no centro da cidade, em um local estigmatizado como “Carandiru”. Ela se sentiu motivada depois que conseguiu levar centenas de crianças para assistir a “Pantera Negra” no cinema. 

“A gente vai dar prioridade para autores negros que trabalhem a questão da representatividade nos livros. A ideia é se valorizar e se reconhecer pela literatura”, explica. “Temos 239 famílias aqui. Esse é o número de pessoas atingidas pela biblioteca. Queremos que não sejam só as crianças.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.