Descrição de chapéu Livros

Prostituta argelina idosa e sua vida cheia de surpresas são tema de HQ francesa

Em 'Jeanine', autor que é destaque dos quadrinhos conta as aventuras de sua vizinha de peruca platinada

Télio Navega
Rio de Janeiro

A argelina Jeanine foi campeã de natação quando jovem, passou o Maio de 1968 presa na Alemanha, resgatou refugiados do Camboja, salvou algumas vidas e perdeu um grande amor. Além de tudo isso, trabalhou como prostituta até a velhice e era conhecida no métier como Isa, a sueca —por causa da peruca platinada. 

Apesar de pouco conhecida, sua vida foi tão intensa que daria um livro. Acabou virando uma história em quadrinhos chamada, justamente, “Jeanine”, publicada na França em 2011 e recém-lançada no Brasil pela editora Veneta.

“Jeanine era minha vizinha quando eu era estudante de artes. Morávamos na mesma rua em Estrasburgo. Muitas vezes eu a via esperando clientes em seu carro, à noite”, diz o autor da HQ, o francês Matthias Picard, de 37 anos. 

“Um dia, a reconheci em um documentário na TV. Eu a vi sem a peruca, falando sobre sua vida, sua infância, e fiquei emocionado com isso.”

Picard conta que logo depois disso foi até Jeanine, no carro estacionado em que ela fazia ponto, para dizer que a tinha visto na televisão. Orgulhosa, a mulher de 60 e poucos anos desandou a falar, e a contar sua história ao então jovem estudante.

“Foi apaixonante, mas um cliente chegou e eu preferi deixá-la, disse que poderia encontrar com ela outro dia”, lembra Picard. “Jeanine, então, me convidou para tomar um café em sua casa. A partir daí, comecei a vê-la regularmente. E a anotar tudo o que me contava. Eram histórias tão incríveis que, às vezes, eu nem acreditava, sabe?”

A ideia, segundo o autor, nunca foi contar simplesmente a biografia de Jeanine, mas fazer um livro sobre uma mulher que, no presente, fala de seu passado a um escritor que a descreve como a personagem principal de um romance, como uma heroína. 

Depois de lançar “Jeanine”, Picard deu uma guinada radical e produziu um álbum completamente diferente, sem falas e em 3D, sobre um sujeito que mergulha no fundo do mar, usando um escafandro, e explora o oceano. 

O livro, bastante lúdico e ainda inédito no Brasil, se chama “Jim Curious - Voyage au Coeur de L’Océan” (Jim Curious - Viagem ao Coração do Oceano) e fez tanto sucesso na França que rendeu ao autor o Prêmio Bull’gomme 53, concedido a jovens autores que realizam trabalhos para a juventude.

“Quando conheci Jeanine, também descobri o 3D. Então, não fiz primeiro um e depois o outro livro, eu tive as duas ideias ao mesmo tempo. E havia um bom equilíbrio entre um trabalho baseado na vida real e um outro, completamente imaginado e silencioso”, diz Picard, já esclarecendo que não se trata exatamente de um livro infantil. “Nunca pensei em fazer um livro especialmente para crianças. Faço, primeiro, para mim, na tentativa de me surpreender.” 

O livro do escafandrista curioso foi todo produzido com a técnica do efeito anáglifo, que consiste em imprimir imagens em duas cores contrastantes e com uma pequena distância entre elas para, assim, produzir um efeito de profundidade. E não há palavras na história porque, segundo Picard, estamos nós, leitores, e o personagem, no fundo do mar, no mundo do silêncio.

“É uma experiência visual. Eu queria deixar o leitor em paz com as imagens e com suas próprias sensações. Acho que se você praticar mergulho com seus amigos, não vai querer conversar, só ver e sentir, isso é bom o suficiente.”

Sete anos depois de surgir em três dimensões, o personagem de Picard acaba de ganhar, na França, uma nova aventura tridimensional chamada “Jim Curious – Voyage à Travers la Jungle”, com viagem agora na selva.

“Jim Curious continua vivo. Ele ainda é um mergulhador, mas, agora, em vez de descer às profundezas do mar, ele caminha rumo ao topo de uma montanha, atravessando uma selva múltipla”, adianta o quadrinista francês. 

“O personagem topa com um crocodilo, uma tartaruga gigante, muitos insetos e uma comunidade de macacos. De certa forma, é como um sonho psicodélico, mas, de maneira geral, é bem realista.”
 

Jeanine

  • Preço R$ 49,90 (152 págs.)
  • Autor Matthias Picard. Tradução: Maria Clara Carneiro
  • Editora Veneta
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.