Descrição de chapéu Rock in Rio

Claustrofobia e Torture Squad dividem palco com Chuck Billy, do Testament

Encontro de contemporâneas dos anos 1990 foi equivalente ao do CPM 22 e Raimundos do último sábado (28)

Laura Lewer
Rio de Janeiro

Foi com uma grande roda de pogo na plateia —a primeira de muitas— que a banda de death e thrash metal Claustrofobia subiu ao palco Sunset nesta sexta (4).

"Pinu da Granada" foi a primeira música do setlist do grupo paulista, que ainda tocou "Bastardos do Brasil", "Vira Lata", "Metal Maloka" e "Peste", que fizeram os headbangers gritarem trechos das músicas, como "delírio, cachaça, metal, fiasco" e "é pior que febre, Claustrofobia é peste".

Show da banda Torture Squad no palco Sunset, no quinto dia do festival Rock in Rio - Adriano Vizoni/Folhapress
Uma estranha pausa no show para a troca de instrumentos e uma dançarina azul no centro do palco anteciparam a entrada dos paulistanos do Torture Squad, que fizeram com o Claustrofobia o encontro de contemporâneos dos anos 1990 equivalente ao CPM 22 e Raimundos do último sábado (28).

"Só falta um incenso e uma ayahuasca", reagiu uma fã à dança e música instrumental que faziam referência à deusa hindu Kali, citada na gutural "Blood Sacrifice". "Me dê o seu sangue, Rock in Rio", foram as primeiras palavras da vocalista May Puertas no palco.

A Torture Squad ainda tocou "Raise Your Horns" e "Horror and Torture" antes de outra parada para a volta do Claustrofobia.

Revezando-se no palco, eles receberam a aguardada companhia de Chuck Billy, do Testament, que passou por "Disciples of the Watch"e "Practice What You Preach", da banda americana.

Unindo músicos, o supergrupo de death e thrash metal liderado por Chuck Billy, May Puertas e Marcus D'Angelo encerrou o show com a celebrada "Electric Crown", do Testament.

Ainda sobem ao palco Sunset Anthrax e Slayer, que faz sua turnê de despedida.
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.