Descrição de chapéu Livros

Romance é narrado por mãe que não ama o filho e tem nojo do marido

Livro de estreia da argentina Ariana Harwicz guarda paralelos com a biografia da escritora

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Narrado por uma protagonista sem nome, que se esconde atrás dos arbustos no quintal de sua casa para espiar dentro dela, “Morra, Amor” é o romance de estreia da escritora argentina Ariana Harwicz, 42, e seu primeiro livro traduzido para o português. 

Lançado em 2012 como “Matate, Amor”, o romance conta a história de uma mulher estrangeira que mora no interior da França com o marido, francês, e um bebê. Para ela, o casamento, a solidão e a maternidade são ingredientes de uma bomba-relógio emocional.

mulher segurando um bebê
Capa do livro 'Morra, Amor', de Ariana Harwicz, feita pela capista Fabiana Yoshikawa - Shanina/Getty Images/iStock/Editora Instante

Ela deseja acabar com toda essa vida que a aprisiona e a bota à beira de um ataque de nervos, mas ao mesmo tempo continua fazendo seu papel de mulher e mãe. Pensa em matar pai e filho e se ressente de todas as tarefas domésticas que cumpre, da amamentação, das interações com o marido —que aceita seu comportamento cada vez mais estranho.

Dona de uma libido também selvagem, a personagem trai o marido sem muita preocupação em esconder o fato. Comporta-se mal em encontros de família e sonha ter a coragem de seu vizinho, pai de sete filhos, que meteu uma bala de espingarda na cabeça em uma noite de Natal.

Como a personagem, a escritora também mora no interior da França com seu marido francês, mas tem dois filhos em vez de um. Quão autobiográfico seria o texto? “A biografia de um autor é a sua obra e não o contrário, a obra é a verdade da vida e não a vida a da obra. ‘Morra, Amor’ é todo verdade, não porque seja autobiográfico, mas por razões literárias”, diz ela.

A versão em inglês do livro foi indicado ao Man Booker International no ano passado. E já foi adaptado para o teatro na Argentina, na Espanha e em Israel. “Venho do cinema e da dramaturgia e acredito que a forma do livro funcione também como uma obra de teatro, por isso acho que a adaptação tenha sido fácil, o livro já apontava a obra. Trabalhei na adaptação na Argentina, fiz parte do processo criativo”, diz a autora.

Ela conta que recebeu uma ligação de uma produtora que quer adaptar 'Morra, Amor' para o teatro no Brasil. “Será um projeto bonito e selvagem”, afirmou.

Harwicz acredita que o casamento e a maternidade, da maneira como são pensados nesta época e na sociedade de consumo, podem levar homens e mulheres à loucura. “Os selos, a monogamia, a maternidade, os imperativos sociais enlouquecem. Tudo que nos obriga a renunciar à própria verdade acaba levando à loucura.”

Sem grandes digressões, a prosa de Harwicz é feita de frases curtas, que vão direto ao ponto. Sua protagonista conta de maneira urgente e cortante os pensamentos que passam pela sua cabeça e os atos cada vez mais violentos que começa a cometer.

“A personagem está cheia de contradições, e quer e não quer viver essa vida. Sem essa luta, não haveria drama. A maternidade é um tabu porque é insuportável admitir que é possível não amar um filho, é possível inclusive desejar-lhe o mal”, diz.

Uma mulher de cabelos negros ondulados
A escritora argentina Ariana Harwicz, autora de 'Morra, Amor' - Diego Waldmann/Clarín

Ela conta que o estilo rápido da narrativa não foi planejado, e aconteceu naturalmente no processo de escrita do romance. “O tom de uma escrita, a gramática que ela arma e que fabrica a música de um livro é intencional e não intencional, na medida em que não foi arbitrária, mas também não foi programada. Quando o escrevi, não estava consciente de sua velocidade. As transgressões forçaram a sua forma.”

“Morra, Amor” faz parte de uma trilogia involuntária sobre a paixão erótica e a maternidade, junto com os dois livros que Harwicz escreveu em seguida, “La Débil Mental” (a débil mental) e “Precoz” (precoce).

Segundo Silvio Testa, diretor editorial da Instante, casa de "Morra, Amor", os títulos devem ser lançados em português nos dois próximos anos —o primeiro em 2020 e o segundo, em 2021.

Morra, Amor

  • Preço R$ 44,90 (140 pág.)
  • Autor Ariana Harwicz
  • Editora Editora Instante
  • Tradução Francesca Angiolillo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.