Anos de aflição: os principais destaques da política cultural nos últimos dez anos

Fim do Ministério de Cultura, cotas na TV a cabo, movimento Procure Saber e mudanças na Rouanet marcaram a área

São Paulo

Após uma tentativa do ex-presidente Michel Temer em 2016, o Ministério da Cultura foi extinto no governo de Jair Bolsonaro. Essa foi uma das principais transformações na política cultural do Brasil nos últimos dez anos, que ainda viu mudanças nos direitos autorais, cotas para produções nacionais na TV a cabo, uma crise no Museu de Arte do Rio e o movimento Procure Saber, entre outros.

Veja os principais destaques da política cultural nos últimos dez anos.

Indústria em expansão
Criada em 2011 e posta em vigor em 2012, a chamada Lei da TV Paga estabeleceu cotas para produções nacionais nos canais a cabo, provocando a expansão da indústria audiovisual

Direitos autorais
Em 2011, no governo de Dilma Rousseff, a irmã de Chico Buarque, Ana de Hollanda, fez passagem turbulenta no comando do Ministério da Cultura e tirou da pasta a concessão da licença Creative Commons

Museu de Arte do Rio
Com a forte crise nas contas da prefeitura do Rio de Janeiro, Museu de Arte do Rio chega a dar aviso prévio a todos os seus funcionários e quase fecha

Lei Rouanet
Em 2017, Temer eleva o teto da Rouanet de R$ 10 milhões para R$ 60 milhões, em ação pró-mercado

Ministério da Cultura em risco
Temer tenta acabar com o Ministério da Cultura em 2016, mas em protesto artistas promovem ocupações em sede da Funarte e governo recua

Procure saber
Capitaneado por Paula Lavigne, o movimento Procure Saber tenta aprovar restrições a biografias no Congresso em 2013, mas pauta reverte e parlamentares votam a favor da liberdade de expressão

Cidade Limpa
Na prefeitura de São Paulo, João Doria é criticado por grafiteiros após a criação do programa Cidade Limpa, que apagou murais icônicos da cidade

Theatro Municipal
Em 2015, denúncia no Ministério Público dá origem a investigação sobre desvio milionário nas contas do Theatro Municipal de SP; no ano seguinte, investigações atingem principais diretores da instituição

Fim do Ministério da Cultura
Bolsonaro assume a Presidência da República com proposta de promover um direcionamento ideológico na cultura; sua primeira medida é extinguir o ministério da área

Novos projetos
Durante toda a década, sucessão tucana no governo paulista investe em museus populares (como o da Língua Portuguesa e o do Futebol) e na SP Escola de Teatro, mas deixa de lado o Museu Paulista e vê naufragar grandes projetos, como o Teatro da Dança

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.