Café Filho assumiu após suicídio de Getúlio Vargas e mudou política econômica do país

Jornalista potiguar é tema do 13º volume da Coleção Folha, que chega às bancas no próximo domingo

Arquivo - Curitiba, PR, dezembro de 1953 - O presidente Getulio Vargas, Bento Munhoz da Rocha e Joao Café Filho durante evento em Curitiba. ( Acervo Última Hora / Folhapress) - Folhapress
São Paulo

Durante quase duas décadas, entre 1946 e 1964, o presidente e o vice eram eleitos separadamente no Brasil.

Em 1950, a coligação formada por PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) e PSP (Partido Social Progressista) ganhou a disputa nos dois postos. Getúlio Vargas (PTB) venceu para o cargo principal. Para o posto imediatamente inferior, a vitória ficou com Café Filho (PSP).

As siglas estavam coligadas, mas, na prática, tinham pouco em comum. Fundado por Ademar de Barros, governador de São Paulo em dois mandatos, o PSP defendia uma cartilha mais conservadora que o PTB.

Café Filho assumiu a Presidência horas depois do suicídio de Vargas. Passados alguns dias, ele evidenciou as diferenças em relação ao político gaúcho ao escolher para o seu ministério diversos nomes ligados à UDN, o partido que fazia forte oposição ao governo Vargas.

Nascido em Natal (RN), o jornalista Café Filho é tema do 13º volume da Coleção Folha - A República Brasileira. Escrito por Fábio Koifman, professor de história da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, o livro chega às bancas no próximo domingo, dia 8.

Apesar do ministério de inclinação udenista, Café Filho procurava vender a imagem de um presidente suprapartidário, uma condição que ele julgava pertinente para um governo de transição. Esteve no cargo de agosto de 1954 a novembro de 1955.

Uma das principais iniciativas da breve gestão Café Filho se deu na política econômica. O governo baixou a instrução 113, que, entre outras alterações, facilitava a entrada de capital estrangeiro no Brasil.

Era um contraponto ao nacionalismo varguista.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.