Vampiros selvagens aterrorizam vila em reedição de HQ clássica de terror

Série de Steve Niles ilustrada por Ben Templesmith completa 15 anos de sua primeira publicação encadernada

Cena da História em Quadrinhos '30 Dias de Noite', de Steve Niles e Ben Templesmith - Reprodução
Claudio Gabriel

​O horror na HQ. “30 Dias de Noite” começa antes mesmo da invasão de vampiros. Em um pequeno vilarejo do Alasca, a população vive, um mês por ano, totalmente no escuro.

Quando esse período começa, alguns moradores resolvem ir embora, enquanto outros ficam no local. Aproveitando a escuridão, vampiros do mundo inteiro se juntam para atacá-los.

A minissérie completa 15 anos de sua primeira publicação encadernada. Por isso, acaba de ganhar nova versão pela Darskide.

“Eu li um texto no jornal sobre Barrow, no Alasca, e fui imediatamente levado pela ideia de vampiros usando a cidade como alimento”, afirma Steve Niles, criador de “30 Dias de Noite”.

“Eben e Stella [protagonistas da primeira história] e o conceito de vampiros selvagens ou não românticos vieram um pouco mais tarde”.

O primeiro lançamento da obra foi, na verdade, em 2002, quando o mundo das HQs e das editoras independentes vivia um período fértil nos Estados Unidos, com títulos como “Hellblazer” e “Hellboy”.

Esse cenário deu espaço para a IDW Publishing, inaugurada em 1999. Niles e o desenhista Ben Templesmith foram os responsáveis pela primeira publicação da editora. Os dois, até então, haviam feito só pequenos trabalhos.

 

“Eu conheci Ben [Templesmith] online e realmente amei o estilo dele. Ben e eu concordamos, quando começamos ‘30 Dias’, que queríamos tornar nossos vampiros diferentes. Na primeira descrição que escrevi, os chamei de ‘tubarões da terra’”, diz Niles.

“Ben tornou os vampiros cruéis e elegantes ao mesmo tempo. Eu acho que a arte dele é o que fez o quadrinho realmente se destacar. Para mim, ele estabeleceu o padrão de como deveria ser uma história em quadrinhos de terror.”

Na época do lançamento, o horror estava em baixa nos quadrinhos. Após um período de grande sucesso comercial dos anos 1940 até os 1970, ainda havia demanda de histórias do gênero. A influência de “30 Dias de Noite” pode não ter sido direta, mas trouxe a temática de volta à vida.

“Eu recebo muitas cartas e os fãs vêm até mim em eventos e dizem que ‘30 Dias’ os levou aos quadrinhos ou, melhor, de volta aos quadrinhos. Isso é ótimo”, conta o roteirista.

O sucesso da HQ não se deu só em sua trajetória inicial. O universo começou a se expandir, ganhando continuações como os sucessos “Retorno a Barrow” e “Dias Sombrios”, que estão presentes no
 lançamento da Darkside. Ainda foram feitas outras sete minisséries até 2009 e seis livros derivados foram escritos.

“Depois que comecei a pensar sobre isso [a expansão do universo], tive uma ideia de onde queria ir. Mas não queria voltar para Barrow, não queria fazer a mesma coisa”, diz Niles.

O sucesso chamou atenção da indústria cinematográfica, antes mesmo da explosão das adaptações dos quadrinhos de heróis. Em 2007, “30 Dias de Noite” foi lançada como filme, sob o mesmo título e com direção de David Slade. Mais tarde, o cineasta faria outra incursão no mundo dos vampiros, com “Eclipse”, da saga “Crepúsculo”. Ainda houve uma sequência, “30 Dias de Noite 2: Dias Sombrios”.

Mesmo tendo seu trabalho modificado e abordado sob outra ótica, Niles diz ter ficado “bastante emocionado” quando soube das adaptações. Diferentemente de outros autores, diz ter gostado resultado.

“Foi uma experiência muito emocionante e positiva. Os produtores e o diretor me mantiveram informado durante todo o processo, que levou quase sete anos. No final, fiquei muito feliz com o filme, tendo sido uma ótima experiência”, diz.

30 Dias de Noite

  • Preço R$ 79,90 (368 págs.)
  • Autor Steve Niles. Ilustrador: Ben Templesmith
  • Editora Ed. Darkside Books

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.