Vídeo de ataque ao Porta dos Fundos é verdadeiro, mas polícia ainda investiga autores

Segundo delegado, gravação de homens encapuzados que circula nas redes é compatível com imagens das câmeras

Rio de Janeiro

Um vídeo que mostra o ataque à produtora do grupo Porta dos Fundos é verdadeiro, mas ainda não se sabe quem são os seus autores, afirmou a Polícia Civil do Rio de Janeiro em entrevista coletiva nesta quinta (26).

Segundo o delegado Marco Aurélio de Paula Ribeiro, a gravação que mostra homens encapuzados arremessando coquetéis molotov no edifício na madrugada desta terça (24), que está circulando nas redes sociais desde quarta (25), é compatível com as imagens de câmeras de segurança do local.

No vídeo, um grupo que se identifica como o "Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Família Integralista Brasileira" reivindica o ataque e critica o Porta dos Fundos.

Antes das imagens do atentado, um homem aparece sentado lendo um manifesto à frente de outros dois integrantes que estão em pé, com os braços cruzados. Todos vestem toucas ninja e roupas da cor verde escuro. 

O homem sentado se apoia sobre uma mesa, na qual uma bandeira do Império está estendida. Na parede, foi pendurada uma bandeira com o símbolo do integralismo — movimento nacionalista e autoritário, pautado na defesa dos valores religiosos e conservadores.

O homem diz que o ataque foi uma "ação direta revolucionária", que buscou "justiçar os anseios de todo povo brasileiro contra a atitude blasfema, burguesa e antipatriótica" do Porta dos Fundos.

A Frente Integralista Brasileira (FIB), principal movimento integralista do país, negou à polícia e nas redes sociais ligação com o atentado. "O grupo em questão é desconhecido pela FIB e não possuímos com ele qualquer relação", escreveram em nota.
"Não temos certeza sobre a autenticidade do vídeo, e por isso não descartamos a possibilidade de ter sido um material forjado com o fim de incriminar os Integralistas. Entre os Integralistas é proibido o uso de máscaras para fins de militância. O uso de máscaras para tais fins é, com efeito, uma atitude anti-integralista", defenderam.
 

A princípio, a delegacia de Botafogo registrou o crime como explosão e tentativa de homicídio contra um vigilante que estava no prédio naquela noite e apagou o fogo. 

“De fato teve explosão no local, e uma pessoa não morreu por circunstâncias alheias à vontade dos autores”, disse o delegado Fábio Baruck, subsecretário de planejamento operacional. O ato não foi considerado terrorismo, mas ele diz que nenhuma hipótese é descartada ainda.

O que a polícia sabe é que ao menos quatro homens participaram diretamente da ação, dois em uma moto e dois em um carro. As placas já foram identificadas e as características físicas dessas pessoas foram mapeadas, mas segundo Ribeiro, que é titular da delegacia de Botafogo, ainda não se sabe os nomes delas.

Todos que estavam próximos à produtora no momento da explosão estão sendo ouvidos, e os donos dos veículos serão chamados para depor. O setor de inteligência da Polícia Civil e a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) também trabalham no caso.

Questionado sobre a relação do atentado com o "Especial de Natal Porta dos Fundos: a Primeira Tentação de Cristo", ele respondeu apenas que “existe essa possibilidade”. “Não posso dar certeza sobre motivação no início da investigação”, declarou.

O filme retrata um Jesus gay (Gregorio Duvivier), que se relaciona com o jovem Orlando (Fábio Porchat), e um Deus mentiroso (Antonio Tabet) que vive um triângulo amoroso com Maria e José.

Até a última sexta (20), já havia no país ao menos sete ações na Justiça contra o serviço de streaming Netflix, onde o conteúdo está disponível, ajuizadas por lideranças de igrejas cristãs que se sentiram ofendidas com a paródia bíblica. 

Antes da entrevista coletiva, os delegados responsáveis pelo caso se reuniram na manhã desta quinta com o ator João Vicente, do Porta dos Fundos, e um advogado. “A gente não está falando aqui sobre o Porta dos Fundos, a gente está falando sobre liberdade de expressão”, declarou o artista à imprensa.

“A gente tem um ato violento que aconteceu e que a gente não vai deixar que aconteça. A gente confia totalmente no trabalho da polícia, por isso viemos fazer essa reunião aqui hoje. A gente precisa cortar esse mal pela raiz”, concluiu.

O governador Wilson Witzel (PSC) também comentou o caso em evento na manhã desta quinta: "Queremos, no prazo mais rápido possível, encontrar quem são os autores dessa espécie de atentado e dar imediatamente à sociedade as respostas necessárias. Nosso governo é contra qualquer manifestação de violência contra quem quer que seja", afirmou. ​

O atentado repercutiu na imprensa internacional. 

O New York Times narrou o ataque feito por homens encapuzados à sede do Porta dos Fundos e, em seguida, mencionou a hostilidade do governo Bolsonaro em relação à cultura, ao audiovisual e ao chamado "marxismo cultural'.

O site da americana NBC News deu a manchete “Criadores de especial da Netflix com Jesus gay sofrem ataque com coquetel molotov” e lembrou que o grupo Porta dos Fundos havia recebido o prêmio Emmy pelo programa “Se Beber Não Ceie”, de 2018, num especial que mostrava drogas e prostituição.

No site da revista Variety, a manchete sobre o Jesus gay do Porta dos Fundos era a matéria mais lida na tarde desta quinta (26). A matéria menciona a criação de uma petição por pessoas que se sentiram ofendidas com o  média-metragem, assinado por cerca de 2,33 milhões de pessoas.

O abaixo-assinado também foi mencionado pelo jornal online britânico The Independent, que publicou a manchete “Escritório de grupo de comédia é atacado com bomba após polêmica sobre filme na Netflix que encena Jesus como gay”.

A revista francesa Paris Match trouxe em seu site a machete “Um Jesus Homossexual: os humoristas atacados com coquetel molotov no Brasil”. No texto, a revista cita um tuíte de Eduardo Bolsonaro, de 11 de dezembro: “Somos a favor da liberdade de expressão, mas vale a pena atacar a fé de 86% da população?”. A revista, em seguida, atribui ao presidente brasileiro a alcunha de "extrema-direita".

O Jesus gay do Porta dos Fundos também aparece com destaque no site da Hollywood Reporter, que também lembra do prêmio Emmy recebido ao especial de 2018.

O site Deadline, após relatar o ataque, diz no terceiro parágrafo que Jair Bolsonaro é “homofóbico com orgulho” e que disse que preferia ter um filho morto do que gay.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.