Coordenadora da Biblioteca Nacional retira faxineiro de elevador e é denunciada

Tânia Pacheco pediu a funcionário terceirizado para usar elevador de serviço do prédio da instituição

Rio de Janeiro

A Polícia do Rio de Janeiro investiga se a coordenadora-geral de Planejamento e Administração da Biblioteca Nacional, Tânia Pacheco, cometeu crime de racismo na sexta-feira (10) ao pedir que um faxineiro uniformizado se retirasse do elevador social do prédio e usasse um cujas paredes são revestidas.

Ela diz que não houve qualquer ato discriminatório, mas uma ação administrativa.

“A gente tem todo o interesse que seja esclarecido. Isso é um prédio tombado. Na realidade, eu recebo ordens. Sou apenas a responsável pela administração. Recebo ordens da presidência, da diretoria executiva, no zelo ao patrimônio da casa”, afirma.

Na segunda-feira (10), o caso foi registrado na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância para apurar a ocorrência de crime previsto no artigo 20 da Lei Caó, que determina até três anos de prisão para a prática de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Já em posse das imagens captadas pelas câmeras do prédio, a polícia ouvirá Pacheco na semana que vem. Na quinta-feira (16), um inspetor esteve na sede da Biblioteca Nacional para intimá-la. Mas ela trabalha em outro endereço da fundação. O faxineiro, que se declara pardo, já prestou depoimento.

A coordenadora conta que estava do lado de fora, no hall principal da Biblioteca Nacional, no segundo andar do prédio, quando viu o faxineiro dentro do elevador social e pediu que se retirasse para que conversassem. 

"Ele entrou com alguns visitantes no elevador sem proteção e eu apenas chamei ele para conversar porque ia fazer de novo a recomendação que por vezes a gente sempre faz, que, dentro do possível, houvesse bom senso e a utilização do elevador que é adaptado para serviço e para nós, servidores, também”, disse Pacheco, afirmando que não existe distinção entre elevador social e de serviço, sendo um adaptado.

Ainda segundo relato, o faxineiro, que é funcionário de uma empresa terceirizada, reagiu, afirmando em alto som que já cumpria aviso-prévio, e foi contido por um segurança.

Uma servidora perguntou a Pacheco se ela não estava com o coração partido ao assistir à retirada do rapaz e a coordenadora alegou que apenas pretendia orientá-lo sobre as normas da instituição.

O prédio tem dois elevadores recém-reformados, com capacidade para oito pessoas, cada um. Durante as férias, cerca de 1.600 pessoas visitam a Biblioteca Nacional. Cerca de 60 trabalhadores de limpeza circulam por suas dependências diariamente. 

Levado à administração da Biblioteca Nacional, o caso foi descrito como uma “não ocorrência” pelo procurador federal que atua junto à instituição.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.