Descrição de chapéu Cinema

Número de salas de cinema no Brasil ultrapassa auge da era da pornochanchada

Com 3.505 endereços hoje, expansão levou quatro décadas para bater os 3.276 registrados em 1975

São Paulo

O parque exibidor nacional quebrou um recorde histórico no ano passado. Dados do site Filme B mostram que o país alcançou um total de 3.505 salas de cinema, ultrapassando a máxima anterior de 3.276 salas, registrada em 1975 —auge da pornochanchada.

Uma parte dessa expansão está ligada à chegada dos exibidores a regiões em que havia poucos ou nenhum cinema. Segundo o anuário estatístico do cinema brasileiro, publicado pela Ancine, a Agência Nacional do Cinema, em 2018, a última década viu a oferta de salas no Nordeste mais do que dobrar. No Norte, quase triplicou, com um salto de 181% desde 2009.

O crescimento também foi maior nas cidades médias. Nos municípios com mais de 100 mil habitantes, o total de salas dobrou entre 2009 e 2018.

Vale lembrar, no entanto, que a maior parte do parque exibidor ainda está concentrada nas grandes metrópoles e na região Sudeste.

Um dos exibidores responsáveis por liderar essa expansão foi a Cinépolis. A rede mexicana chegou ao país há exatos dez anos. Desde 2012, abriu quase 200 salas, ou cerca de um décimo de todas as novas salas inauguradas de lá para cá, segundo informações do Filme B.

Presidente da empresa, Luiz Gonzaga de Luca conta que ela buscou apostar em lugares que, muitas vezes, passaram anos sem cinemas —hoje, um quinto de sua operação está localizada em cidades médias, e outro quinto, em subúrbios. Ele cita municípios como Cariacica, ao lado de Vitória, ou Itaquaquecetuba e Carapicuíba, na região metropolitana de São Paulo.

A última inauguração da Cinépolis seguiu nesses moldes, com a abertura de quatro salas num shopping de Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul, no último dia 9.

sala de cinema vazia
Sala de cinema da rede Cinépolis no shopping Três Lagoas, na cidade homônima, em Mato Grosso do Sul - Divulgação

Foi nesses centros comerciais, aliás, que a Cinépolis decidiu investir, afirma Gonzaga de Luca. Ele lista a falta de segurança e a tendência de o comércio se afastar dos centros das cidades como alguns dos motivos para essa escolha.

Além disso, acrescenta, as salas de rua, com suas centenas de lugares, têm muito mais chance de gerar prejuízos. “Com uma sala só, se o filme que você programou não deu dinheiro, a semana foi perdida. Mas um cinema antigo pequeno, com 600 a 800 cadeiras, pode abrigar quatro salas. O pequeno multiplex, é uma forma de ratear as despesas e os riscos”, diz.

Paulo Sérgio Almeida, diretor do Filme B, acredita que foi justamente essa migração dos cinemas para os shoppings que permitiu a expansão do parque exibidor no Brasil. Hoje, quase 90% das salas estão dentro de lugares do tipo, segundo a Ancine.

“O cinema, do jeito que estava indo, estava pronto para fechar. Espaço com uma ou duas salas e sem serviços está condenado a ser patrocinado”, afirma Almeida, lembrando o drama de cinemas de rua como o Belas Artes, na avenida Paulista. Ele por pouco não encerrou as atividades no ano passado, ao perder o patrocínio da Caixa Econômica Federal. A cervejaria Petra assumiu as despesas com a sala.

Além da infraestrutura inicial oferecida pelos shoppings (como estacionamento, por exemplo), os cinemas de centros comerciais ainda costumam ter lucro com a bombonière.

Almeida ainda cita outro fator a impulsionar o crescimento das salas de cinema, o programa Cinema Perto de Você.

Implementado pela Ancine em 2012, ele oferecia, em parceria com o BNDES, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, linhas de crédito para a abertura de novas salas, financiamento para digitalização, entre outros. Suas metas incluíam ampliar e descentralizar o parque exibidor —o que aconteceu em certa medida, como mostram os dados disponíveis.

De lá para cá, é possível dizer então que o cinema ficou mais democrático?

Almeida considera que sim, apesar de o ingresso ter aumentado mais de R$ 6 desde 2009. “O cinema é democrático na medida em que o país é democrático —e o Brasil é de uma desigualdade cruel. Mas ele fica ainda menos acessível se é longe da pessoa, quando os preços agregados, como transporte e comida, aumentam.”

“Eu não diria democrático”, diz Débora Ivanov, ex-diretora da Ancine. “O preço ainda é alto para a população de baixa renda.” Ela ressalta que, apesar de a demanda por salas continuar alta —mais de 40% da população vive em municípios sem cinema— , é possível que esse crescimento esbarre em dificuldades com o encerramento do Cinema Perto de Você no ano passado.

Gonzaga de Luca lembra outro dado importante para entender esse panorama —apesar do recorde nominal alcançado no ano passado, nos anos 1970 havia uma sala de cinema para cada 30 mil pessoas. Hoje, a média é de uma para cada 60 mil pessoas. Uma fração muito menor, portanto, do que aquela do México de origem da Cinépolis, país em que havia uma sala para cada 18 mil pessoas, aproximadamente, em 2018.

Na visão dele, o futuro dessa expansão está nas cidades ainda menores —pequenas e médias para pequenas. A última faixa populacional, aliás, foi a única registrar uma diminuição de salas de cinema na última década, de cerca de 40%. Mas alerta: “Não sei o quanto se pode contar com os grandes exibidores para isso. A Cinépolis tem essa intenção”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.