Suspeito de ataque a Porta dos Fundos está na lista de alerta máximo da Interpol

Apontado como um dos autores do atentado à sede do canal de humor foi incluído na Difusão Vermelha da polícia internacional

Rio de Janeiro

O empresário Eduardo Fauzi Richard Cerquise, 41, está agora na lista dos mais procurados da Interpol. 

Apontado como um dos autores do ataque à sede do Porta dos Fundos, ele foi incluído na Difusão Vermelha da Interpol, a polícia internacional. Trata-se do alerta máximo da entidade.

Fauzi está na Rússia desde o fim do ano, após decolar num voo da Air France no dia 29 de dezembro

Viajou para o país de Vladimir Putin, onde já morou no passado e tem um filho residente, um dia antes de ser alvo de um mandado de prisão. 


Considerado foragido, ele disse ao Projeto Colabora que pretende pedir asilo ao Kremlin. Brasil e Rússia têm acordo de extradição que contempla o caso do empresário, que tem um pedido de prisão pendente.

O Itamaraty diz que ainda não recebeu do Ministério da Justiça pedido para trazer Fauzi de volta ao país. "A informação de que o Itamaraty teria entrado em contato com autoridades russas a esse respeito não procede. Lembramos que, em casos de pessoas foragidas no exterior, cabe ao Poder Judiciário a decisão de pedir a extradição."

Segundo a pasta, cabe o juiz que decretou a prisão de alguém apresentar os documentos que formalizam a solicitação para extraditar um foragido. "O Ministério não recebeu nenhum pedido nesse sentido."  ​

A inclusão de Fauzi entre os fugitivos no radar da Interpol foi confirmada pela assessoria de imprensa da Polícia Federal. Seu nome não consta na lista pública de procurados da organização internacional —o que, segundo a PF, só acontece em casos excepcionais.  

retrato de homem com cabelo muito curto, sem barba ou bigode, com os olhos um pouco fechados
O empresário Eduardo Fauzi Richard Cerquise, 41, suspeito de ser um dos autores dos ataques ao Porta dos Fundos. - Divulgação/Polícia Civil

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.