Descrição de chapéu Cinema

Filmes esnobados pelo Oscar dominam Spirit Awards, de cinema independente

'The Farewell' foi eleito melhor filme; 'Joias Brutas' conquistou três troféus, entre eles ator para Adam Sandler

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Dois longas menosprezados pela Academia de Artes e Ciências de Hollywood, “The Farewell”, de Lulu Wang, e “Joias Brutas”, dos irmãos Josh e Benny Safdie, foram os maiores vencedores do Spirit Awards na noite deste sábado (8).

O prêmio americano contempla filmes independentes, isto é, realizados com menos de US$ 22.5 milhões (R$ 97,21 milhões).

“The Farewell”, que trata das diferenças entre as culturas americana e chinesa, conquistou a estatueta mais importante da noite, de melhor filme. Também foi laureado na categoria de atriz coadjuvante, para a chinesa Zhao Shuzhen, de 85 anos, numa edição dominada pela diversidade —nenhuma das atrizes que concorriam contra ela era branca.

Essa presença asiática no longa foi lembrada por Wang em seu discurso de agradecimento. "Ele mostra uma das aparências possíveis de uma família americana", disse.

A diretora ainda aproveitou para pedir mais igualdade de gênero na indústria. “Não precisamos de encorajamento para fazer filmes, já há muitas mulheres trabalhando no ramo", afirmou. "O que elas precisam é de emprego. Deem empregos às mulheres.”

“Joias Brutas”, uma produção da Netflix sobre um joalheiro que sonha fazer fortuna em apostas esportivas, tinha sido indicado em cinco categorias, liderando a disputa ao lado de “O Farol”, de Robert Eggers.

Ganhou três delas, de melhor diretor, melhor edição e melhor ator para Adam Sandler, num inusitado papel dramático.

“O Farol” foi vencedor em duas categorias, melhor fotografia e melhor ator coadjuvante para Willem Dafoe. O filme, que mostra dois zeladores de um farol no século 19 cada vez mais delirantes, foi produzido pelo brasileiro Rodrigo Teixeira, da RT Features.

A produtora ainda tinha outro título na disputa —"A Vida Invisível", de Karim Aïnouz, que concorria a melhor filme internacional. Perdeu para o sul-coreano "Parasita", que também é o favorito da categoria no Oscar.

Além dele, muitos outros vencedores da noite também estiveram em sincronia com as principais apostas dos especialistas para a cerimônia da Academia, marcada para este domingo (9) —Renée Zellweger foi eleita melhor atriz por “Judy”, “História de um Casamento” recebeu o troféu de roteiro, e “Indústria Americana”, produzido pelos Obama, ganhou o título de melhor documentário.

O discurso dos diretores do filme, aliás, foi um dos mais politizados da cerimônia, no geral marcada pela descontração.

Momentos como aquele em Laura Dern, que não tinha sido indicado em nenhuma categoria, virou tema de uma performance de um coral, ou quando o os irmãos Safdie, ao receberem o prêmio de melhor direção, leram discursos completamente diferentes ao mesmo tempo, numa polifonia que ecoa a estética de seus filmes, tiraram risadas do público.

Não é só essa descontração que afasta o Spirit Awards da premiação da Academia de Artes e Ciências de Hollywood, aliás. Em vez de ser realizada num enorme teatro, como outros prêmios da temporada, ela acontece numa tenda perto da praia de Santa Mônica, em Los Angeles.

Veja os vencedores do Spirit Awards 2020:

Melhor filme
"The Farewell", de Lulu Wang
 
Melhor filme de estreia
"Fora de Série", de Olivia Wilde

Prêmio John Cassavetes (para filmes com orçamentos inferiores a US$ 500 mil, ou R$ 2,16 milhões)
"Give Me Liberty", de Kirill Mikhanovsky

Melhor diretor
Benny Safdie e Josh Safdie, por "Joias Brutas"
 
Melhor roteiro
"História de um Casamento"
 
Melhor roteiro de estreia
"See You Yesterday"

Melhor direção de fotografia
"O Farol", Jarin Blaschke

Melhor edição
"Joias Brutas"
 
Melhor atriz
Renée Zellweger, por "Judy"
 
Melhor ator
Adam Sandler, por "Joias Brutas"
 
Melhor atriz coadjuvante
Zhao Shuzhen, por "The Farewell"
 
Melhor ator coadjuvante
Willem Dafoe, por "O Farol"
  
Melhor documentário
"Indústria Americana", de Steven Bognar e Julia Reichert

Melhor filme internacional
"Parasita", de Bong Joon-Ho

Prêmio Robert Altman
"História de um Casamento"

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.