Descrição de chapéu
Cinema Oscar 2020

'Indústria Americana' vê ciclo da tecnologia; 'Democracia em Vertigem' é tatibitate

Documentário de Petra Costa mastiga o conceito marxista de luta de classes

Faça uma experiência e veja na sequência, primeiro, “Democracia em Vertigem” e, depois, “Indústria Americana”, de Steven Bognar e Julia Reichert. Ambos estão na Netflix e concorrem ao Oscar.

Ao final, pode chorar: enquanto a produção americana, sob a grife do casal Obama, discute o presente e o futuro das relações ser humano-nova economia, o filme brasileiro atesta como o Brasil deixou de ser o país do futuro para se transformar (na frase de Oswald de Andrade) num monte de gente dando adeus.

A agenda discutida em “Indústria Americana” diz respeito àquilo que resultou em Trump: uma fábrica da General Motors, em Ohio, fechou em 2008. Em 2015, foi reaberta como Fuyao Glass America. Com um detalhe: o dinheiro, a tecnologia e o modo de produção eram chineses.

O choque entre as duas culturas —chinesa e americana— dirá muito sobre as questões da contemporaneidade. Os chineses acham os americanos preguiçosos e ineficientes. Trabalham só cinco dias por semana, oito horas diárias. Tagarelam sem parar.

Os americanos reclamam da jornada extenuante e ainda das questões de segurança no trabalho. Os chineses falam em atingir metas, recuperar o investimento e dar lucro. 

Outro nó: os operários americanos querem uma célula do sindicato dentro da fábrica. Diz o presidente mundial da FGA, que é chinês: “Não queremos sindicato aqui. Vai atrapalhar nossa produtividade”.

Vale dizer, na China os dirigentes comunistas oferecem a seus trabalhadores o mesmo cenário descrito por Dickens em suas novelas sobre o início da Revolução Industrial. 

O presidente chinês da FGA não se importa: “O objetivo da vida é trabalho”. Mas todos os operários americanos estão felizes de voltar a ter seus empregos —mesmo que seus salários não alcancem o valor antes praticado pela GM (aquela que fechou). Acho que Marx estudou isso —e os chineses praticam com eficiência o uso do Exército Industrial de Reserva.

Ao final, a questão crucial: a FGA será quase totalmente robotizada. Tantos chineses quanto americanos se defrontam com as novas tecnologias de produção. O que fazer com tantos trabalhadores substituídos por máquinas?  O capital persegue produtividade, lucro e eficiência.

Mais: o dinheiro hoje vive no pós-nações, como sempre, em busca de lucro. E nem chinês comuna rasga dinheiro, os americanos percebem.

Enquanto “Indústria Americana” se embala em enxergar a história pelo ciclo da tecnologia, “Democracia em Vertigem” mastiga o conceito marxista de luta de classes.

No documentário de Petra Costa, é aquele tatibitate: golpe das elites contra o governo dos trabalhadores, a corrupção no Brasil é comum a todos os matizes políticos… E que a coitada da esquerda petista foi enredada pela direita corrupta.

Vale lembrar: Lula surgiu como líder sindical e seu PT nasceu ancorado em outras lideranças sindicais. 

O que acontece se pensarmos na crítica do dirigente chinês ao papel dos sindicatos? Para pôr sua fábrica no lucro, o presidente da FGA busca acertar processos e não poupa trocar seus comandados. Na narrativa de Petra, os culpados são sempre os outros —as elites, os bancos, a direita. Os 12 milhões de desempregados da era petista? É um detalhe.

Como “Democracia em Vertigem” é um libelo, a realidade já o tornou (ainda) mais velho. Dilma não conseguiu se eleger senadora e o “golpista” Temer foi preso. E Lula diz que não é necessário fazer autocrítica.

Indústria Americana

  • Onde Disponível na Netflix
  • Classificação 12 anos
  • Produção EUA, 2019
  • Direção Steven Bognar e Julia Reichert
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.