Descrição de chapéu
Cinema

'Martin Eden' é um dos melhores filmes que veremos este ano

O principal atributo é a liberdade narrativa, que pode ser confundida com um mau roteiro por nossos amigos conteudistas

Martin Eden

  • Quando Estreia nesta quinta (27)
  • Classificação 14 anos
  • Elenco Luca Marinelli, Jessica Cressy, Vincenzo Nemolato
  • Produção Itália/França/Alemanha, 2019
  • Direção Pietro Marcello

Ao lado de Michelangelo Frammartino, do excepcional "As Quatro Voltas" (2010), Pietro Marcello é o principal nome do cinema italiano surgido no século 21. Na mais recente edição da revista inglesa "Sight and Sound", o coreano e oscarizado Bong Joon-ho colocou Marcello entre os 20 diretores a seguir nos próximos 20 anos.

Oriundo do documentário e herdeiro do armênio Artazvad Pelechian, a quem dedicou um belo ensaio fílmico chamado "O Silêncio de Pelechian" (2011), Pietro Marcello foi revelado internacionalmente um pouco antes, com o estupendo "A Boca do Lobo" (2009).

Esse diretor único na filmografia contemporânea chega agora a seu segundo longa de ficção, "Martin Eden", após o estranhíssimo e indefinível "Belo e Perdido" (2015), em que usa e abusa do ponto de vista e da voz interior de um búfalo ("apesar de tudo, tenho orgulho de ser um búfalo", diz o animal em certo momento).

"Martin Eden" é um pouco mais convencional dentro do registro ficcional. Mas é possível ver traços de sua obra pregressa e da poesia que ele extrai de suas buscas visuais. Assim como a câmera livre e a montagem ousada derivam de sua experiência no documentário ensaístico.

Além disso, pode ser um pouco mais convencional, mas ainda está a milhas do cinema contemporâneo atual, sobretudo no registro do drama histórico, que Marcello persegue com uma liberdade invejável.

Trata-se de uma adaptação bem livre de um romance menos conhecido de Jack London, em que um simples marinheiro, de formação deficiente, esforça-se para se tornar mais culto para desenvolver carreira como escritor.

Na transposição para a Nápoles dos anos 1930, com o fortalecimento do fascismo italiano e, por outro lado, da consciência de classe, o filme ganha cores mais atuais. Era uma época em que a sociedade italiana dividia-se entre socialistas convictos e aqueles que temiam o socialismo de maneira irracional.

No meio dessa celeuma, Martin Eden (Luca Marinelli) parece transitar indeciso entre um lado e outro, num movimento pendular que reflete sua recém-adquirida instrução e uma incipiente consciência política. Ou, se quiserem, sua liberdade de pensamento.

A indefinição atrapalha o romance com a aristocrata Elena Orsini (Jessica Cressy) —que ele julga ser o amor de sua vida— e mesmo uma vida saudável em sociedade, já que naqueles tempos estava forte essa doença chamada intolerância. "Martin Eden", então, fala inevitavelmente de nossos dias, na Itália como no Brasil.

E o faz sem muita preocupação com a reconstituição histórica. Se dissessem que estamos nos anos 1980, todos acreditariam. O que diz muito da maneira como o capitalismo se desenvolveu na Itália.

O principal atributo, contudo, é a liberdade narrativa, que pode até ser confundida com um mau roteiro por nossos amigos conteudistas. "Martin Eden" tem elipses ousadíssimas e não entrega quase nada mastigado para o espectador, que deve preencher as lacunas deixadas no enredo.

Não é um filme perfeito, longe disso, mas é dos melhores que veremos neste ano.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.