Descrição de chapéu
É Coisa Fina Livros

Ficção sobre criança angustiada é soturna e cômica

Livro de Mariana Salomão Carrara é delicado e bem escrito

Se Deus Me Chamar Não Vou

  • Preço R$ 40 (160 págs.)
  • Autor Mariana Salomão Carrara
  • Editora Nós

Maria Carmem, com m, tem 11 anos e é a narradora desse livro delicado, bem escrito, algumas vezes engraçado e causador de uma solidão avassaladora. Na primeira página, a frase “Se eu pudesse brilhar de dor eu seria um escândalo” já te prepara para diversas outras igualmente bonitas e tristes.

A brincadeira proposta pela paulistana Mariana Salomão Carrara (defensora pública e colecionadora de prêmios literários) é a de que estamos lendo, em primeira mão, o diário que Maria Carmem escreve em seu computador. A princípio, os textos são para mostrar à professora de redação (que acha que a aluna leva jeito), mas depois, conforme a garota começa a expor muito a família, os relatos ficam guardados para um dia, talvez, serem publicados e ela se tornar uma escritora de verdade.

E então ficamos sabendo que Maria Carmem não tem amigos, não tem namorados (em sua fantasia ela gostaria de ter, apesar da idade) e definitivamente não tem o corpo dentro dos padrões necessários para evitar o bullying cotidiano: é gorda e muito grande para sua idade: “meus colegas me mandam tirar a cabeça da frente da lousa”. Só que ela é tão sozinha, mas tão sozinha, que chega a sentir falta quando esquecem de empurrá-la, bater em seu rosto ou ofendê-la pertinho do ouvido.

Capa do livro "Se Deus Me Chamar Não Vou"
Livro "Se Deus Me Chamar Não Vou", de Mariana Salomão Carrara - Reprodução

Sua mãe, não bastasse ser bonita e usar roupas justas e charmosas que lhe caem muito bem, ainda é amada pelo marido, o que só aumenta a sensação de desamparo da filha. Quando não estão dançando animados e perfeitos a música “Livin’ La Vida Loca”, os pais de Maria Carmem trabalham em uma loja que ela chama de “loja de velhos”, vendendo todo o tipo de coisa para que o fim da vida se torne menos desconfortável. A garota ajuda no atendimento e torce para que algum colega da escola apareça e a veja tão madura e incrível explicando sobre fraldas geriátricas e meias térmicas.

Um dia a menina tem uma ideia brilhante para movimentar os negócios e manda um e-mail para um rapaz chamado Leonardo, que ela vê na televisão falando sobre “produtos e gestão de gerontologia”. A aparição desse homem bonito, gente boa e tocador de sanfona, acaba mexendo com a vida da família toda.

Quando um vizinho morre em casa “de repente” e completamente sozinho, Maria Carmem, assustada, começa a prestar bastante atenção na própria respiração, tentando prever e controlar sua morte: “como eu não quero ficar sozinha morta vou correr e fugir até meu nome ecoar por todas as nuvens”. Tenta ainda controlar as fezes, segurando ao máximo a vontade de ir ao banheiro, porque deseja ser uma pessoa mais limpa.

O maior êxito do livro está em passagens sombrias mas espirituosas, que parecem ser de fato ditas por uma criança, ou construídas por uma autora bastante hábil e segura em contar essa história: “adultos se divertem. Crianças se divertem. Eu não sei se estou exatamente na idade em que ninguém faz nada de bom, ou se isso de diversão simplesmente acabou pra mim”.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.