Descrição de chapéu
Televisão

Réplica: Aceitamos críticas, mas não ataques a nossos profissionais

Na CNN Brasil, não estamos de nenhum lado político; estamos do lado do jornalismo

Fabio Portela

A CNN Brasil repudia o artigo do colunista Tony Goes, publicado no site da Folha de S. Paulo e considera um ataque raso e desleal contra toda a nossa equipe de profissionais.

Basília Rodrigues, o primeiro alvo do colunista, é uma jornalista respeitada em Brasília, experiente na cobertura do Planalto e do STF. Com anos de experiência em rádio, Basília estava em sua semana de estreia na CNN, com a tensão natural que isso acarreta.

Ela relatava uma informação sobre fechamento de fronteiras. Explicava que Chile e Equador não fazem fronteira com o Brasil, mas acabou dizendo que eles não fazem parte da América do Sul. Ela errou. É normal. Todos erramos. Admitiu o erro no Twitter e seguiu em frente, com dignidade. A CNN tem orgulho de contar com uma profissional do quilate de Basília e considera injusto apontar o dedo para ela com o objetivo de atacar a emissora.

Jornalistas da CNN Brasil em evento de lançamento do canal
Jornalistas da CNN Brasil em evento de lançamento do canal - Divulgação

A agressão a Caio Coppolla, contendor de Gabriela Prioli no quadro "O Grande Debate", segue a mesma linha. Sem apontar nenhum dado objetivo, o colunista afirma que Coppolla era um ponto “a ser ajustado” na programação. Coppolla e Prioli são profissionais brilhantes. Estão em nossa grade porque acreditamos no valor da inteligência. Para nós, é um orgulho abrir espaço para pontos de vista variados. A pluralidade de opiniões sempre será a marca da CNN.

Sobre as acusações restantes, soam como uma paranoia do colunista e de outros críticos de TV. Somos acusados de não ter mostrado o presidente Bolsonaro cumprimentando manifestantes no domingo (15) ou os panelaços de quarta-feira (18). Ambos eventos tiveram larga cobertura em nossa programação. A falsidade do texto é uma afronta a toda a nossa equipe, formada por jornalistas sérios e competentes, com anos de carreira e reputações a zelar.

Em nossa primeira semana no ar, produzimos mais de cem horas ao vivo de cobertura da pandemia do coronavírus, ouvindo autoridades e representantes da mais diversas linhas políticas do Brasil. Todos tiveram espaço na CNN para colocar suas ideias e críticas quase sempre antagônicas. Basta assistir à programação da CNN com um pouco mais de atenção e isso será facilmente notado.

A pluralidade de opiniões está no ar o tempo todo. E é por isso que a audiência da CNN tem respondido de forma tão positiva, após menos de uma semana da nossa estreia. Nossos telejornais têm disputado a liderança de audiência entre os canais de notícias em várias faixas horárias no Brasil inteiro, segundo dados do Ibope Kantar, e isso tem crescido a cada dia —mesmo sabendo que o hábito de audiência é uma construção a médio e longo prazos em um mercado em que já existem concorrentes com duas décadas no ar.

Para que fique claro, em definitivo: na CNN não estamos de nenhum lado político. Estamos do lado do jornalismo. Simples assim. Aceitamos críticas. Mas não aceitamos que nossos profissionais sejam atacados de maneira injusta, agressiva e com argumentos sem o menor fundamento.

Fabio Portela é superintendente de relações institucionais da CNN Brasil

Fabio Portela é superintendente de Relações Institucionais da CNN Brasil

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.