Com suspeita de coronavírus, Aldir Blanc está em estado grave e é transferido para CTI

Família chegou a fazer vaquinha para tirar compositor de hospital público, no Rio

São Paulo

Com suspeita de coronavírus, o compositor e escritor Aldir Blanc, 73, está internado em estado grave no Rio de Janeiro.

Blanc chegou na sexta-feira (10) à Coordenação de Emergência Regional, a CER, do Leblon, parte do hospital Miguel Couto, na zona sul da cidade, com infecção urinária e pneumonia. Ele foi levado para uma ala de média gravidade.

Seu quadro de saúde, no entanto, piorou e, na madrugada desta segunda-feira (13), acabou transferido para a ala vermelha, onde foi entubado. Na noite desta terça (14), o compositor foi para o Centro de Tratamento Intensivo, o CTI, do hospital.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro afirmou que "os últimos exames indicaram suspeita de coronavírus e Aldir Blanc foi transferido para o CTI da unidade".

Aldir Blanc em foto de 2005 - Alexandre Campbell/Folhapress

Uma das filhas do letrista, Isabel Blanc fez um tuíte nesta quarta (15) dizendo que ainda aguarda o boletim médico sobre o quadro atualizado de seu pai.

A família de Blanc chegou a fazer uma vaquinha para tentar transferi-lo para um hospital particular, já que ele não tem plano de saúde. Isabel Blanc, diz temer que a unidade municipal não tenha condições de tratar um caso como o do seu pai.

Nas redes sociais, Isabel fez um apelo. "Pedimos uma corrente positiva de apoio pro nosso querido sair dessa o mais rápido possível", escreveu Isabel. "Conto com vocês nesse momento para estarmos unidos auxiliando, no que for preciso, para que meu pai se recupere. Obrigada!"

À Folha, ela contou que o compositor estava bem e ativo antes de sentir dores e ir parar no hospital.

Aldir Blanc é autor de algumas das obras mais conhecidas da música brasileira, como "O Bêbado e a Equilibrista", "O Mestre-sala dos Mares", "De Frente pro Crime", "Dois pra Lá, Dois pra Cá" (parcerias com João Bosco) e "Resposta ao Tempo" (com Cristovão Bastos).

Carioca, Aldir se formou em medicina, antes de se tornar poeta, letrista e cronista. Salgueirense, era frequentador assíduo dos blocos carnavalescos Simpatia É Quase Amor –batizado por ele– e Nem Muda Nem Sai de Cima.

Outra paixão era o Bar da Maria, na Muda, e o Bip-Bip, em Copacabana, reduto da MPB. O boêmio Aldir parou de beber quando descobriu que era diabético, em 2010.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.