Inhotim adia pavilhão de Yayoi Kusama para 2021 e investe em conteúdo online

Nova exposição no Google Arts & Culture e série de entrevistas em vídeo são as apostas do museu

São Paulo

Como os demais museus e centros culturais Brasil afora, o Inhotim, na cidade mineira de Brumadinho, também está fechado, desde 18 de março.

As medidas de distanciamento social impostas pela pandemia do novo coronavírus fizeram com que a grande promessa deste ano do museu, a inauguração do pavilhão da artista japonesa Yayoi Kusama, tenha sido adiada para o ano que vem. A artista obcecada por bolinhas já tem uma obra na coleção do museu, a instalação "Narcissus Garden".

Como alternativa, o Inhotim tem buscado ampliar a sua oferta de conteúdos digitais nesse período de quarentena.

O maior lançamento acontece na quarta da semana que vem, dia 22, com a disponibilização de uma visita virtual à mostra "Visão Geral" no perfil do museu no Google Arts & Culture.

A exposição, aberta em novembro do ano passado na esteira de uma onda de novidades do parque –como a inauguração de uma obra do americano Robert Irwin, a reabertura de galerias fechadas para restauração e um novo jardim–, reúne trabalhos que desafiam a noção de escultura.

É o caso, por exemplo, de uma obra de Marcius Galan que simula a tridimensionalidade ao criar a ilusão de um vidro verde, ou de um trabalho de Sara Ramo que, à primeira vista, parece um buraco na parede.

A versão digital de "Visão Geral" é mediada pelo crítico Douglas de Freitas e inclui depoimentos em vídeo dos artistas participantes e do diretor artístico do museu, Allan Schwartzman.

Outras exposições do museu que podem ser visitadas no Google Arts & Culture são "Arte ao Ar Livre", que mostra as instalações em grande escala do parque, “Inhotim: Na Encruzilhada da Mudança Glocal”, primeira mostra internacional do museu, e “Cildo Meireles no Inhotim: Redimensões do Olhar”, sobre o artista conceitual carioca.

Mas não é só na plataforma que o Inhotim oferece conteúdos. O museu prepara três séries em vídeo para as suas redes sociais. Por enquanto, a única que está no ar é "Bastidores", sobre processos dos bastidores da instituição –o primeiro episódio é com Laura Vinci, autora de múltiplos vendidos na loja do museu, mas depois haverá vídeos sobre Marcius Galan, Sandra Cinto e Robert Irwin.

Em breve, estreia "Retratos", que acompanha montagens das obras no museu a céu aberto. O primeiro capítulo será sobre a galeria de Adriana Varejão. E, em maio, será a vez da estreia de "Diálogos", que mostra conversas entre artistas, botânicos e pesquisadores.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.