Museu Metropolitan anuncia demissões, e prejuízo pode chegar a R$ 847 milhões

Instituição esperava reabrir em julho, mas agora diz que é provável que isso aconteça só mais tarde

Zachary Small
The New York Times

Executivos do Museu Metropolitan de Nova York, o MET, estão se preparando para consequências econômicas piores do que as inicialmente projetadas, em função da pandemia do coronavírus.

Diante de receitas que podem ficar US$ 150 milhões, ou R$ 847,5 milhões, abaixo do esperado em seu próximo ano fiscal —um rombo 50% maior do que o projetado em março—, o museu anunciou a demissão de mais de 80 empregados e cortes da ordem de mais de 20% nos salários de seus executivos, em uma carta ao seu pessoal.

Fachada do Metropolitan, em Nova York, nesta sexta (24) - David Dee Delgado/AFP

“Embora não estejamos imunes ao impacto da pandemia, o MET é uma instituição forte e duradoura, e continuará a sê-lo”, afirmou Daniel Weiss, o presidente-executivo do museu, em comunicado. “Nossos dois objetivos primários continuam a ser fazer tudo que pudermos em apoio à saúde e à segurança de nossa comunidade e proteger a saúde financeira do museu a longo prazo.”

Um porta-voz do MET disse que as demissões representariam um corte de 26% no quadro de funcionários dos departamentos de serviços aos visitantes e de varejo do museu, devido ao declínio de longa duração previsto no número de visitantes.

O museu pagará os salários que os trabalhadores teriam a receber até a primeira semana de junho. O MET havia anteriormente planejado reabrir as portas em julho, mas agora está planejando reabrir mais tarde, depois de cancelar as comemorações de seu 150º aniversário, marcadas para o terceiro trimestre deste ano.

Diante de perspectivas menos positivas de recuperação rápida da pandemia, muitos museus agora estão enxugando seu calendário de eventos no quarto trimestre e planejando fechamentos mais longos.

Nesta semana, o Museu Isabella Stewart Gardner, de Boston, cancelou toda a sua programação de eventos até a metade de setembro, em função da Covid-19. “A situação atual nos forçou a encarar as coisas com realismo”, disse Peggy Fogelman, a diretora do museu, em um boletim informativo. “Foi uma decisão dolorosa, mas sabemos que ela serviu aos melhores interesses e protegeu a segurança de nossos visitantes.”

No Queens Museum, a presidente e diretora executiva da instituição, Sally Tallant, está trabalhando com múltiplos cronogramas para a possível reabertura do museu, localizado em uma das regiões metropolitanas mais atingidas pela pandemia.

“Nenhum de nós quer reabrir nossos museus e fazer com que pessoas adoeçam, mesmo que acreditemos que os espaços culturais têm um papel a desempenhar na recuperação da cidade”, disse Tallant, que projetou um buraco de US$ 900 mil, ou R$ 5 milhões, no orçamento de sua instituição, até julho.

O Museu Judaico de Manhattan, que sofrerá US$ 600 mil, ou R$ 3,4 milhões, em prejuízos a cada trimestre que passe em quarentena, não tem uma data planejada de reabertura. Mas garantiu um empréstimo federal de US$ 2,1 milhões, ou R$ 11,7 milhões, por meio do Programa de Proteção às Folhas Salariais, que cobrirá suas despesas mensais de US$ 1,1 milhão, ou R$ 6,2 milhões, com salários, benefícios, infraestrutura e juros.

Para mitigar ainda mais as despesas, os empregados do museu com salários superiores a US$ 100 mil, ou R$ 565 mil, anuais também sofrerão um corte de pagamento de mais de 20%.

Mas outras organizações culturais que esperavam poder contar com ajuda do governo para enfrentar a crise do coronavírus não conseguiram obtê-lo.

“Nenhum de meus colegas obteve dinheiro do Programa de Proteção às Folhas Salariais”, disse Brett Littman, diretor do Museu Noguchi, no bairro de Queens. O museu havia solicitado US$ 450 mil, ou R$ 2,5 milhões, em empréstimos para cobrir os salários de seu pessoal e os custos de manutenção.

A Fundação Elizabeth de Arte, de Manhattan, que organiza exposições e subsidia estúdios de artistas, também teve dificuldade para obter ajuda.

“Os fundos já haviam sido todos reservados, antes que pudéssemos solicitá-los”, disse Jane Stephenson, diretora executiva da fundação. “Esperamos por quatro dias até que chegasse o email com o formulário que precisávamos preencher.”

E pode ser que os recursos continuem a diminuir. Na semana passada, o Museu Noguchi começou a se organizar para uma queda no apoio que recebe do governo municipal de Nova York, depois que o prefeito Bill de Blasio apresentou uma proposta executiva de orçamento que reduzia em US$ 10,6 milhões, ou R$ 60 milhões, a verba para programas culturais. Se o corte for aprovado, Littman antecipa uma queda de cerca de 30%, ou US$ 100 mil, nas verbas que recebe.

“A crise expôs a fragilidade da forma pela qual os museus fazem negócios”, ele disse. “Número muito pequeno deles conta com as reservas de caixa necessárias para continuar operando.”

tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.