512 artistas assinam manifesto contra Regina Duarte: 'Não nos representa'

Entre eles, estão Adriana Esteves, Rita Lee, Fafá de Belém, Luiz Fernando Veríssimo, Fernando Meirelles e Zé Celso

São Paulo | UOL

Um grupo de 512 atores, músicos, escritores e outros profissionais ligados à indústria cultural assinaram um manifesto com críticas a Regina Duarte, secretária especial da Cultura do governo Bolsonaro.

Nesta quinta (7), em entrevista à CNN Brasil, Regina Duarte minimizou as mortes, as torturas e a censura durante o período da ditadura militar. A secretária ainda menosprezou a cobertura da imprensa sobre as mortes causadas pela Covid-19 e se irritou ao vivo com um vídeo de Maitê Proença, no qual a atriz critica a gestão da cultura pelo atual governo.

"Como artistas, intelectuais e produtores culturais, formamos a maioria que repudia as palavras e as atitudes de Regina Duarte como secretária de Cultura. Ela não nos representa", diz o manifesto (leia ao final a íntegra do documento).

A entrevista da secretária teve repercussão negativa de vários artistas nos últimos dias. Nas redes sociais, Bruno Gagliasso, José de Abreu e o youtuber Felipe Neto, entre outros, já haviam criticado a postura de Regina Duarte.

A lista é composta por artistas, intelectuais e produtores culturais. São 512 signatários.

Enter eles, estão: os atores Adriana Esteves, Alice Braga, Ana Lúcia Torre, Cauã Raymond, Malu Mader, Marcelo Serrado, Marieta Severo, Marisa Orth, Miguel Falabella, Monica Iozzi, Paulo Betti, Renata Sorrah e Selton Mello; os músicos Caetano Veloso, Chico Buarque, Dinho Ouro Preto, Emicida, Fafá de Belém, Lulu Santos, Rita Lee e Samuel Rosa; os novelistas Daniel Ortiz, Licia Manzo e Walcyr Carrasco; os jornalistas Edney Silvestre, Juca Kfouri e Marília Gabriela; os escritores Antonio Prata, Ignacio de Loyola Brandão, Julián Fuks, Luiz Fernando Veríssimo e Mário Prata; os cineastas Anna Muylaert, Fernando Meirelles, Jorge Furtado e Lais Bodanzky; os apresentadores Astrid Fontenelle, Fábio Porchat e Marcelo Tas; a antropóloga Lilia Schwarcz, a filósofa Marcia Tiburi e o diretor de teatro Zé Celso Martinez Corrêa.

Leia a íntegra do manifesto:

Brasil, 8 de maio de 2020

Somos artistas brasileiros e fazemos parte da maioria de cidadãs e cidadãos que defende a democracia e apoia a independência das instituições para fazer valer a Constituição de 1988.

Fazemos parte da maioria que entende a gravidade do momento que estamos vivendo e pedimos respeito aos mortos e àqueles que lutam pela própria sobrevivência no país devastado pela pandemia e pela nefasta ineficiência do poder público.

Fazemos parte da maioria de brasileiros que não tolera os crimes cometidos por qualquer governo, que repudia a corrupção e a tortura e que não deseja a volta da ditadura militar.

Fazemos parte da maioria que não aceita os ataques reiterados à arte, à ciência e à imprensa, e que não admite a destruição do setor cultural ou qualquer ameaça à liberdade de expressão.

Como artistas, intelectuais e produtores culturais, formamos a maioria que repudia as palavras e as atitudes de Regina Duarte como secretária de Cultura. Ela não nos representa.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.