Descrição de chapéu Televisão

De Tio Maneco a Seu Chalita, conheça papéis imortalizados por Flávio Migliaccio

Ator, morto aos 85 nesta segunda (4), também teve carreira frutífera no teatro e no cinema

São Paulo

Morto nesta segunda (4) aos 85 anos, o ator Flávio Migliaccio não via problema em ser associado eternamente a um mesmo personagem.

Questionado se ficava incomodado com o fato de que o público ainda hoje se lembrar dele como o Xerife da série “Shazan, Xerife e Cia”, dos anos 1970, ele respondeu que desejava continuar com o personagem pelo resto da vida —e se disse fã de outros intérpretes que fizeram o mesmo, como Charles Chaplin, com o Carlitos, ou Rowan Atkinson, com o Mr. Bean.

Mas Xerife está longe de ser a única figura marcante dos mais de 60 anos de carreira de Migliaccio.

O ator, diretor e roteirista paulistano teve uma trajetória frutífera, que começou no teatro na transição dos anos 1950 e 1960 —ele participou de peças emblemáticas do paulistano Teatro de Arena, como "Eles Não Usam Black-Tie", de Gianfrancesco Guarnieri— e atuou no que viriam a ser clássicos do cinema nacional, como "Cinco Vezes Favela", "A Hora e a Vez de Augusto Matraga", de Roberto Santos, e "Terra em Transe", de Glauber Rocha.

Foi na televisão, no entanto, que ele ficou conhecido do público. Conheça, abaixo, cinco personagens pelos quais Miggliacio é lembrado.

Xerife, de 'Shazan, Xerife e Cia.'

Foi com o seriado de comédia "Shazan, Xerife e Cia.", da TV Globo, exibido entre 1972 e 1974 , que Migliaccio ganhou grande notoriedade. Nele, interpretava o Xerife, dupla de Shazan (Paulo José). Juntos, os dois mecânicos viviam diferentes aventuras.

Os atores Paulo José e Flávio Migliaccio em cena do seriado "Shazan, Xerife e Cia", nos anos 1970 - Divulgação

Tio Maneco, de 'As Aventuras de Tio Maneco'

O tio aventureiro que embarca nas maiores confusões com os três sobrinhos surgiu num filme dirigido (e, em parte, roteirizado) pelo próprio Migliaccio em 1971, "As Aventuras do Tio Maneco". Na trama, ele leva as crianças para Mato Grosso, onde o avô deles estaria se comunicando com extraterrestres —mas, quando chega lá, o avô já se embrenhou na selva.

O sucesso do personagem rendeu outros três longas, "O Caçador de Fantasma", de 1975, "Maneco, o Super Tio", de 1980, e "Os Porralokinhas", o último de 2007. Também originou uma série, "As Aventuras do Tio Maneco", exibida pela TVE entre 1981 e 1985.

O ator Flávio Migliaccio como o personagem Tio Maneco, do filme "Os Porralokinhas" - Divulgação

Seu Chalita, de 'Tapas & Beijos'

Migliaccio interpretava um viúvo libanês que, dono do restaurante O Rei do Beirute, em Copacabana, só pensa em encontrar um novo amor. O personagem ganhou um final feliz com o término da série: ficou com Lucilene, personagem de Natália Lage.

Os atores Flávio Migliaccio e Analu Prestes posam para foto durante gravação da série "Tapas & Beijos", da Rede Globo - Estevam Avellar/Globo

Seu Jacques, de 'Senhora do Destino'

Um dos maiores sucessos da TV brasileira, a novela "Senhora do Destino", exibida em 2004, tinha Migliaccio interpretando o personagem seu Jacques, um ex-vendedor que tentava resolver problemas com a aposentadoria na Justiça.

O ator Flávio Migliaccio (à esq.) durante gravação da novela "Senhora do Destino", da Rede Globo - João Miguel Jr./TV Globo

Mamede, de 'Órfãos da Terra'

Em sua última participação numa novela —ele ainda apareceu na minissérie "Hebe", da Globo, depois—, ele viveu o imigrante palestino Mamede Al Aud, que estava sempre às turras com o vizinho judeu Bóris (Osmar Prado). O conflito se intensificou quando Mamede descobriu que o neto Ali era apaixonado pela neta do inimigo.

O papel rendeu a Miggliacio o troféu de melhor ator de TV da Associação Paulista de Críticos de Arte, a APCA, no ano passado.

Órfãos da Terra - Ali (Mouhamed Harfouch), Mamede (Flávio Migliaccio) e  Muna (Lola Fanucchi)
Ali (Mouhamed Harfouch), Mamede (Flávio Migliaccio) e Muna (Lola Fanucchi) na novela 'Órfãos da Terra' - Divulgação
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.