Descrição de chapéu The New York Times

Ronan Farrow expôs abusos sexuais em Hollywood, mas falhou em investigação

Jornalista é responsável por publicar uma série de casos famosos, entre eles o de Harvey Weinsten

Ben Smith
The New York Times

Foi uma reportagem instigante, escrita pelo repórter mais prestigiado da revista The New Yorker, e com uma manchete que capturava a atenção: “Arquivos extraviados motivaram vazamento de registros financeiros de Michael Cohen”.

No texto, o repórter Ronan Farrow indica que há algo de suspeito acontecendo no Departamento do Tesouro americano: um funcionário público percebeu que os registros sobre Cohen, então advogado pessoal do presidente Donald Trump, haviam desaparecido misteriosamente de um banco de dados governamental no segundo trimestre de 2018.

Farrow cita o funcionário público anônimo declarando que o desaparecimento dos registros o preocupou tanto que decidiu vazar outros registros financeiros para a imprensa, a fim de alertar o público sobre as atividades financeiras de Cohen.

A reportagem resultou em artigos de capa em diversas outras publicações, e o Departamento do Tesouro prometeu investigar.

Dois anos depois da publicação, muito pouco do artigo de Farrow se sustenta, de acordo com procuradores públicos e documentos judiciais. Os registros de Cohen no Departamento do Tesouro jamais desapareceram. Isso foi apenas uma história criada pelo funcionário, um analista do Internal Revenue Service (IRS, o serviço de receita federal americano), John Fry, que mais tarde se admitiu culpado pelo vazamento ilegal de informações confidenciais.

Os registros simplesmente foram colocados em um sistema de acesso restrito, prática adotada há muito tempo para prevenir vazamentos —uma possibilidade que Farrow admite de passagem em sua reportagem, mas minimiza. E os vazamentos de Fry foram encorajados e postos em circulação por um homem que mal recebe menção no artigo, Michael Avenatti, um advogado "caído em desgraça" e inimigo feroz de Cohen.

O jornalista Ronan Farrow, autor do livro 'Catch and Kill,' em dezembro de 2019
O jornalista Ronan Farrow, autor do livro 'Operação Abafa,' em dezembro de 2019 - Robyn Beck/AFP

Farrow talvez tenha se tornado o repórter investigativo mais famoso dos Estados Unidos, uma das raras celebridades do jornalismo a seguir o caminho oposto ao da maioria de seus colegas: ele começou como um jovem e badalado apresentador de talk show e de lá trabalhou com afinco para descer à batalha renhida do jornalismo investigativo.

Filho da atriz Mia Farrow e do cineasta Woody Allen, ele escreveu reportagens de impacto forte e duradouro, especialmente suas revelações sobre homens poderosos que abusavam de jovens mulheres no mundo do cinema, televisão e política, que lhe valeram um prêmio Pulitzer.

Venho acompanhando a ascensão espantosa de Farrow há alguns anos, maravilhado diante de sua capacidade de expor algumas das histórias que definem a nossa era, especialmente sobre os desvios de conduta sexual do produtor de cinema Harvey Weinstein, que foi condenado à prisão em janeiro, pouco antes da pandemia de coronavírus se instalar pelo mundo.

Mas alguns aspectos de seu trabalho me levaram a questionar se Farrow, em alguns momentos, não estava voando perto demais do Sol.

Porque se você analisar friamente as reportagens de Farrow na The New Yorker e o seu livro “Operação Abafa”, começará a ver alguma coisa frouxa em suas fundações. Ele produz narrativas irresistivelmente cinematográficas —com heróis e vilões inconfundíveis— e frequentemente omite os elementos complicadores e os detalhes inconvenientes que poderiam torná-las menos dramáticas.

Há momentos também em que ele não respeita escrupulosamente os imperativos jornalísticos de corroboração e rigorosa transparência, ou dá a entender que existem conspirações, que são fascinantes, mas impossíveis de provar.

Farrow, 32, não é um fabulista. Suas reportagens podem ser enganosas, mas ele não inventa coisas. No entanto, seu trabalho revela a fraqueza de uma espécie de jornalismo de resistência que prosperou na era de Donald Trump: para os repórteres que decidem aproveitar a corrente das redes sociais e produzir reportagens negativas sobre as figuras públicas mais detestadas pelas vozes mais ruidosas, as velhas regras de lisura e de imparcialidade podem parecer mais obstáculos do que imperativos essenciais do jornalismo.

Essa abordagem pode ser perigosa, especialmente em um momento no qual a ideia de verdade e de um conjunto de fatos compartilhados está sob ataque.

A The New Yorker tornou Farrow altamente visível, uma estrela geracional de sua marca. E seus simpatizantes apontam para o impacto inegável de seu trabalho jornalístico —que resultou na derrubada de praticantes de abusos sexuais, como o secretário estadual de Justiça Eric Schneiderman, em Nova York, e ajudaram a reescrever as regras de sexo e poder nos locais de trabalho.

Ken Auletta, o jornalista da The New Yorker que ajudou Farrow a levar seu trabalho da rede de TV NBC para a revista, disse que a coisa mais importante é que Farrow ajudou a revelar ao mundo o comportamento predatório de Weinstein, e a derrubá-lo.

“Ele colocou todos os pingos nos 'Is' e cruzou todos os 'Ts'? Não”, disse Auletta sobre algumas das afirmações mais grandiosas de Farrow sobre uma conspiração entre Weinstein e a NBC para suprimir seu trabalho.

“Mas ainda assim você fica com a impressão de que ele fez o trabalho que era necessário”, completa Auletta.

David Remnick, o editor da The New Yorker, defendeu o trabalho jornalístico de Farrow, definindo-o como “escrupuloso, incansável e, acima de tudo, justo”.

“Trabalhando em companhia de nossos verificadores de fatos, advogados e de outros membros da equipe editorial da The New Yorker, ele conseguiu algo notável, especialmente por ter conquistado a confiança de suas fontes, muitas das quais tiveram de reviver eventos traumáticos ao conversar com ele”, escreveu Remnick. “Continuamos a dar credibilidade às reportagens de Ronan Farrow. E nos orgulhamos de publicá-las.”

Farrow, em declaração ao jornal The New York Times, disse que cada uma de suas histórias é tratada com “cautela, rigor e nuanças”. Ele disse que tem “orgulho de um conjunto de reportagens que ajudou a expor delitos e a mostrar histórias importantes ao público”.

No entanto, é impossível voltar atrás e responder à pergunta sobre o impacto que suas primeiras reportagens teriam causado caso ele tivesse sido mais rigoroso e tomasse mais cuidado para separar o que ele sabia do que supunha. Porque uma coisa é certa: há um custo.

O jornalista Ronan Farrow, autor do livro 'Catch and Kill,' em fevereiro de 2020
O jornalista Ronan Farrow, autor do livro 'Operação Abafa,' em fevereiro de 2020 - Danny Moloshok/Reuters

Isso se torna claro examinando o primeiro artigo de Farrow sobre Weinstein, publicado em outubro de 2017, e que ofereceu a primeira acusação clara e aberta de que Weinstein havia ido além do assédio sexual e dos abusos revelados dias antes pelo New York Times e cometido atos que os procuradores públicos de Nova York mais tarde descreveriam como estupros.

A acusadora era Lucia Evans, uma universitária a quem Weinstein abordou em uma casa noturna e mais tarde atraiu ao seu escritório com uma promessa de oportunidades como atriz. Lá, disse ela a Farrow, o produtor a forçou a fazer sexo oral nele.

Mas um princípio fundamental do trabalho de reportagem moderno sobre agressão sexual é o da corroboração –a trabalhosa tarefa de localizar amigos e vizinhos a quem uma vítima traumatizada pode ter confidenciado o ocorrido, logo depois de um ataque, para determinar se os relatos dessas pessoas se enquadram ao relato da vítima e se lhe dão maior peso, ou o contrário.

Em boa parte das reportagens mais fortes do movimento MeToo sobre Weinstein no The New York Times, na denúncia do Washington Post sobre o comportamento sexual do apresentador de TV Charlie Rose, e até mesmo em alguns dos demais artigos de Farrow, parágrafos desajeitados interrompem a narrativa para explicar o que uma acusadora disse aos seus amigos, e muitas vezes para mencionar narrativas conflitantes. Os americanos agora estão acompanhando o percurso dessa forma complicada de reportagem, nos artigos sobre Tara Reade, que acusou Joseph Biden de atacá-la sexualmente.

A primeira grande reportagem de Farrow sobre Weinstein oferecia aos leitores pouca visibilidade sobre a questão de corroboração das afirmações de Evans. Ele poderia ter indicado que foi, ou não, capaz de corroborar o que Evans disse, ou ainda reportado o que os amigos dela daquela época haviam revelado à revista. Mas Farrow escreveu, em vez disso, que “Evans contou a amigos parte do que havia acontecido, mas em geral se sentia incapaz de falar a respeito”.

Parece que Farrow estava transformando em virtude narrativa uma deficiência em sua técnica de reportagem, e os resultados são em última análise prejudiciais.

Uma testemunha crucial, uma amiga que estava em companhia de Evans quando as duas conheceram Weinstein na casa noturna, mais tarde disse à promotoria que, quando um verificador de fatos da The New Yorker ligou para ela para falar sobre a reportagem de Farrow, ela não confirmou o relato de estupro de Evans. Em lugar disso, de acordo com uma carta da promotoria aos advogados da defesa, a testemunha disse à revista que “algo de inapropriado aconteceu” e se recusou a entrar em detalhes.

Mas a testemunha mais tarde revelou algo mais problemático a um detetive da polícia de Nova York: Evans lhe havia dito que seu encontro sexual com Weinstein havia sido consensual. O detetive disse à testemunha que a resposta dela ao verificador de fatos da revista era “mais compatível” com a acusação de Evans contra Weinstein, e sugeriu que ela mantivesse a versão narrada à The New Yorker, admitiram posteriormente procuradores públicos estaduais de Nova York.

O detetive nega que esse diálogo tenha ocorrido, mas, quando os advogados de Weinstein encontraram essas declarações contraditórias de uma mesma testemunha, o juiz optou por recusar a acusação. Os advogados de Weinstein comemoraram, ainda que seu cliente por fim tenha sido condenado por outras acusações.

Em seu livro de 2019, “Operação Abafa”, Farrow minimiza o incidente como um problema com uma “testemunha periférica”, e ataca Benjamin Brafman, advogado de Weinstein, por “espionagem pessoal”.

Problema semelhante acontece com uma passagem crucial de “Operação Abafa” na qual Farrow descreve um ataque do apresentador de telejornais Matt Lauer a uma subordinada na rede de TV NBC. No relato, de Farrow, a acusadora de Lauer saiu do camarim dele depois do ataque.

“Ela correu chorando para o homem com quem tinha começado a namorar, um produtor que estava trabalhando na sala de controle naquela manhã, e lhe contou o que tinha acontecido”. Farrow e Sean Lavery, que trabalhou como verificador de fatos em seu livro, não entraram em contato com esse “novo namorado” a fim de confirmar a história, me disseram tanto Lavery quanto o homem envolvido.

“Eu posso estudar uma declaração e dizer que é suficiente, que há outras provas suficientes de que algo aconteceu”, disse Lavery, falando hipoteticamente, quando perguntei por que ele e Farrow não tinham contatado uma potencial testemunha de corroboração.

Mas o “novo namorado” me disse que, na verdade, ele não se lembrava da cena retratada no livro. Ele falou sob a condição de que seu nome não fosse revelado.

Quando informei a Farrow sobre isso em um email na semana passada, ele respondeu que acredita que "a conversa tenha acontecido da forma descrita e foi verificada de múltiplas maneiras”.

Farrow não revelou quais teriam sido essas maneiras. Mas uma coisa fica clara: Farrow e o verificador de fatos jamais ligaram para o produtor. E se tivessem ligado, aquele elemento da história teria sido muito mais complicado —ou jamais teria aparecido na reportagem final.

Lauer foi demitido da NBC e uma série de reportagens e uma investigação interna o retrataram como um astro que abusava de seu poder no local de trabalho para obter sexo. Ele se recusou a ser entrevistado oficialmente sobre a conversa e se limitou a dizer que tinha encontrado furos na corroboração das reportagens de Farrow a seu respeito.

É difícil sentir muita simpatia por um predador como Weinstein ou chorar pela demissão de Lauer. E os leitores podem desconsiderar esses problemas nas reportagens como resultado do desejo compreensível de um repórter jovem e zeloso de narrar suas histórias da maneira mais dramática que pudesse.

Mas Farrow traz a mesma inclinação ao segundo dos grandes temas que embasam seu trabalho: as conspirações. As histórias dele são criadas e vendidas com base em sua convicção –raramente provada– de que forças e pessoas poderosas conspiram contra aqueles que buscam fazer o bem, especialmente o próprio Farrow.

E o cerne de “Operação Abafa” é uma sugestão eletrizante: a de que Weinstein chantageou executivos da NBC para que eles cancelassem a reportagem de Farrow sobre seus delitos de conduta sexual, com uma ameaça de que o jornal sensacionalista The National Enquirer exporia o comportamento indevido de Lauer caso isso não acontecesse. Essa é a conspiração que serve de subtítulo ao livro, e o fio que une a narrativa.

De acordo com o relato de Farrow, no final de 2017 ele havia chegado a um formato final em sua reportagem sobre o padrão de comportamento sexual predatório de Weinstein, e os dirigentes da NBC estavam determinados a calá-lo. Ele afirmou repetidamente que pelo menos duas mulheres haviam concordado em ser entrevistadas para sua reportagem, no momento em que trocou a NBC pela The New Yorker. Disse à rádio pública NPR em uma entrevista que “não existe rascunho dessa história na NBC no qual tivesse menos de duas acusadoras que aceitaram ser identificadas no texto”.

Mas a NBC contesta essa afirmação, e um funcionário da rede me mostrou o que ele descreveu como o rascunho final do roteiro de Farrow, produzido em 7 de agosto. Não havia entrevistas com a presença de pessoas identificadas diante das câmeras, no roteiro. Mas o trabalho incluía uma gravação de Weinstein aparentemente confessando a uma modelo italiana que a tinha bolinado, que se tornou peça importante da reportagem de Farrow na The New Yorker.

E Farrow tampouco produziu qualquer prova de que executivos da NBC teriam agido por medo ou como resultado de chantagem ao se recusarem a levar sua reportagem ao ar, um dos temas centrais que ele promoveu em suas viagens de divulgação do livro.

Quando George Stephanopoulos, um apresentador de telejornais da rede ABC, perguntou a Farrow sobre a “afirmação de que Weinstein estava chantageando a NBC”, o jornalista respondeu que “múltiplas fontes assim afirmam, e a maneira pela qual isso é expresso é muito cuidadosa”. Pressionado a responder se a NBC havia desistido da reportagem porque “temia que as informações sobre Matt Lauer vazassem”, Farrow respondeu que “é isso que extensas conversas, transcrições e os documentos apresentados no livro sugerem”.

Mas o trabalho de reportagem que o livro contém não sustenta essa afirmação. E, na ausência de provas convincentes, Farrow diz confiar naquilo que a crítica e investigadora particular Anne Diebel definiu, em um artigo para o New York Review of Books este ano, como “New Journalism sorrateiro” –o uso de técnicas literárias para apresentar argumentos. Farrow, por exemplo, descreve o comportamento e expressões faciais de executivos da NBC em reuniões com ele e deduz motivações sinistras para eles.

“Se a ameaça sobre Lauer foi de fato feita, e levada a sério, o abandono da reportagem pela NBC não é só um caso de covardia empresarial nebulosa como um grave delito jornalístico e moral”, escreveu Diebel. “Mas na ausência de fontes convincentes, a exploração das alternativas por Farrow é insuficiente.”

Mesmo Auletta, defensor e mentor de Farrow, me disse que a afirmação central dele sobre uma conspiração não tinha provas.

Ronan Farrow no programa"Ronan Farrow Daily"
Ronan Farrow no programa"Ronan Farrow Daily" - Reprodução

A única fonte que depôs formalmente confirmando a teoria de conspiração descrita em “Operação Abafa” é William Arkin, um jornalista independente e discípulo do repórter investigativo Seymour Hersh, que se demitiu amargamente da NBC pouco depois de Farrow.

Em um trecho curioso de “Operação Abafa”, Farrow escreve que Arkin —que era seu aliado na rede– o havia informado sobre duas fontes anônimas que tinham feito essa acusação. Em entrevista por telefone na semana passada, Arkin me disse que suas fontes, apenas uma das quais lhe ofereceu um relato em primeira mão, não tinham se disposto a falar a Farrow para seu livro.

Arkin disse que sua fonte em primeira mão lhe havia contado que Weinstein havia feito a ameaça de expor Lauer a um executivo da NBC, mas que ele não sabia quem contou isso à sua fonte. E disse que não tinha conhecimento sobre os demais elementos das sugestões sombrias de Farrow —o envolvimento do The National Enquirer ou se os executivos haviam de fato bloqueado a reportagem de Farrow por causa da ameaça.

(A NBC negou que Weinstein tenha ameaçado qualquer pessoa, e disse que o produtor costumava se comunicar principalmente com Phil Griffin, presidente da MSNBC, que não tinha envolvimento direto com as reportagens sobre Weinstein.)

Dois outros jornalistas da NBC, nenhum dos quais quis falar abertamente, expressaram opinião diferente, que é compartilhada pelos executivos da rede: a de que Farrow era um repórter jovem e talentoso, com grandes ambições mas pouca experiência, que não percebia o quanto os padrões de confirmação eram rigorosos, especialmente nas redes abertas, que se movem lentamente e operam com muita cautela. Um confronto normal entre um jovem jornalista e seus editores se tornou tóxico.

Arkin disse que concordava com a posição da NBC no sentido de que Farrow não tinha uma história fechada sobre Weinstein, em agosto de 2017, quando ele levou a reportagem para a The New Yorker. Mas ele também disse acreditar que a NBC na verdade não queria a reportagem.

A decisão certa teria sido “tomar aquele repórter de 29 anos pela mão e examinar a história com ele passo a passo”, disse Arkin em entrevista por telefone. “Em lugar disso, o que eles fizeram foi levá-lo para a parte mais funda da piscina e jogá-lo na água –e aí reclamaram por ele não saber nadar.”

É um relato menos heroico que o de Farrow. Também é difícil argumentar que a NBC não teria feito melhor caso mantivesse Farrow em seu quadro e ficasse com a reportagem.

A outra conspiração irresistível de Farrow tem ainda menos elementos comprovatórios: a de que Hillary Clinton, para quem ele trabalhou no Departamento de Estado, também tentou bloquear sua reportagem e proteger Weinstein. Em “Operação Abafa", Farrow descreve receber um telefonema ameaçador de Nick Merrill, porta-voz de Hillary, no terceiro trimestre de 2017, no qual ele foi informado de que sua reportagem sobre Weinstein era causa de preocupação.

“É notável”, disse Farrow sobre Hillary ao Financial Times, durante sua turnê de divulgação do livro, “com que rapidez até mesmo pessoas com quem você tem um longo relacionamento se voltarão contra você, caso você ameace os centros do poder ou suas fontes de verbas".

Mas Farrow parece ter interpretado indevidamente o telefonema de Merrill. Este disse na época que Hillary estava se preparando para realizar um documentário com produção de Weinstein, e que o pessoal dela estava tentando descobrir se reportagens negativas sobre o produtor estavam em preparo.

Ele não tinha meio de provar a afirmação, mas outro jornalista com o qual Merrill conversou sobre Weinstein na época me mostrou mensagens de texto que confirmam o relato de Merrill e contradizem o de Farrow.

“Estamos a ponto de fechar negócio com ele, a menos que isso seja verdade”, escreveu Merrill ao segundo jornalista, em 6 de julho. Em outras palavras, Merrill estava tentando proteger sua chefe, não Weinstein.

Previsivelmente, o relato de Farrow foi usado por detratores de Hillary, na esquerda e na direita, que o viram como confirmação clara de que ela é uma figura manipuladora e dúplice.

Quando perguntei a Farrow se ele tinha provas sobre as conspirações, ele inicialmente me encaminhou à sua editora, a Little, Brown. Sabrina Callahan, diretora executiva de publicidade da editora, me escreveu por email que “o livro é muito cuidadoso ao expor os fatos descobertos por Ronan sobre os contatos entre a NBC e Weinstein e seus associados –e só vai até onde os fatos sustentam”, acrescentando que “encorajamos as pessoas a lê-lo e a tirarem suas conclusões”.

Quando perguntei especificamente sobre a conspiração envolvendo Hillary, ela disse que “o livro de Ronan relata as experiências dele”.

A essência dessas respostas –a primeira legalística em um sentido enganoso, e a segunda uma sugestão de que as conclusões jornalísticas de Farrow se baseiam em suas experiências subjetivas– capturam o maior perigo da abordagem de Farrow.

Vivemos em uma era de conspirações e de inverdades perigosas – muitas das quais propaladas por Trump, mas outras difundidas por seus inimigos – e elas levaram os americanos comuns a acreditar apaixonadamente em teorias insanas e infundadas, e a rejeitar ferozmente quaisquer provas em contrário.

As melhores reportagens tentam capturar a versão mais factível da verdade, com clareza e humildade sobre aquilo que não sabemos. Em lugar disso, Farrow nos contou aquilo em que queríamos acreditar sobre a maneira pela qual o poder opera, e agora, ao que parece, ele e sua equipe de publicidade não estão nem fingindo saber se o que ele afirma é verdade.

Na noite de domingo, Farrow ofereceu mais uma defesa do uso da palavra “conspiração” no subtítulo de seu livro, afirmando que ela “transmite com exatidão a substância do livro e os esforços de homens poderosos para escapar a qualquer prestação de contas”.

Ele acrescentou que, “com respeito a Weinstein, expus cuidadosamente as diversas alavancas de pressão usadas contra meu trabalho de reportagem –por meio de relacionamentos pessoais, espionagem privada, ameaças legais, etc”.

Estou escrevendo este artigo para o The New York Times, que concorreu contra Farrow em diversas reportagens e dividiu o Pulitzer com ele em 2018 pela cobertura dos casos de assédio sexual. Não trabalhei nessa cobertura.

O que primeiro despertou meu ceticismo sobre o trabalho de Farrow foi uma reportagem de Jason Leopold no BuzzFeed News, em 2018, quando eu era editor chefe do site. A reportagem deixou claro que a história de Farrow sobre os documentos de Cohen era incorreta –que eles não tinham desaparecido; o acesso a eles simplesmente havia sido restringido para evitar vazamento de materiais sensíveis.

E descobri mais recentemente, ao me aprofundar na história de Cohen, que apesar da atração de Farrow por narrativas prontas para o cinema, ele ignorou um episódio que parece feito para o momento atual. A história real de John Fry, o empregado do IRS que vazou os documentos sobre Cohen, é a seguinte: em meio ao redemoinho de escândalos envolvendo Stormy Daniels, Avenatti, que a representava como advogado, exigiu no Twitter em 2018 que o IRS divulgasse seus documentos sobre Cohen.

Fry, veterano empregado do IRS, em San Francisco, era um dos muitos seguidores da conta de Avenatti no Twitter e frequentemente curtia seus tuítes. Menos de três horas depois da postagem, Fry começou a buscar os documentos no banco de dados do governo, os baixou e imediatamente contatou Avenatti e lhe enviou os registros confidenciais de Cohen, de acordo com documentos judiciais.

“John, mal posso dizer o quanto agradeço por isso. Obrigado”, escreveu Avenatti a Fry, de acordo com documentos judiciais, e logo o pressionou em busca de mais informações.

Fry terminou por se admitir culpado de uma acusação federal de revelação não autorizada de registros confidenciais, em janeiro. Em sua defesa, o advogado disse que seu cliente costumava “assistir televisão por horas a fio”, e o descreveu como “vítima dos canais noticiosos de TV a cabo”.

Farrow também tem grande número de seguidores na rede social, e algumas das mesmas tendências que solapam seu trabalho de reportagem estão presentes em seu comportamento lá. Em janeiro, quando estavam sendo selecionados os jurados para o julgamento de Weinstein, eles foram perguntados sobre o que haviam lido sobre o produtor, para determinar se podiam servir imparcialmente.

Farrow tuitou que “uma conte envolvida no julgamento de Weinstein disse que perto de 50 potenciais jurados foram recusados porque disseram ter lido ‘Operação Abafa’”.

Farrow não estava no tribunal naquele dia, e me disse na semana passada que sua fonte confirmava o número. Mas o taquígrafo do tribunal, Randy Berkowitz, me contou que se lembra de ter rido do tuíte de Farrow no dia seguinte, com os advogados e pessoal do tribunal, vendo a afirmação como ridícula.

E Jan Ransom, repórter que cobriu o julgamento para o The New York Times, estava lá. O número de potenciais jurados que de fato leram o livro, de acordo com a reportagem dela? Dois.

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.