Artista baiano é primeiro brasileiro a ganhar bolsa do bilionário George Soros

Tiago Sant'Ana foi um dos dez contemplados com R$ 431 mil para desenvolver um projeto pela Open Society Foundations

São Paulo

A Open Society Foundations, organização filantrópica criada pelo bilionário americano George Soros, anunciou nesta terça (14) que um dos dez recipientes da sua bolsa de artes é, pela primeira vez, um brasileiro, o artista baiano Tiago Sant’Ana.

Além dele, foram escolhidos artistas, curadores, produtores culturais e pesquisadores dos países Botswana, Jamaica, Nigéria, Palestina, Síria e Estados Unidos. Cada um deles recebe US$ 80 mil, ou cerca de R$ 430 mil, para investigar projetos sobre diáspora e migração a serem desenvolvidos em um ano e meio.

Este é o terceiro ano da bolsa, que já financiou projetos de artistas como a guatemalteca Regina José Galindo, a marroquina Bouchra Khalili e o congolês Faustin Linyekula.

No programa, Sant’Anna pretende dar continuação às obras que ele vem desenvolvendo há três anos em engenhos de açúcar abandonados do Recôncavo Baiano. Neles, ele usa açúcar e o próprio corpo para apontar tensões raciais e refletir sobre como elas ainda se perpetuam.

fio de açúcar cai sobre corpo de homem negro
'Refino 2', performance do artista baiano Tiago Sant'Ana realizada no antigo Engenho de Oiteiro, na cidade de Terra Nova, no Recôncavo Baiano - Reprodução

Agora, afirma o artista, nascido naquela região, ele pretende visitar ao menos uma dezena de outros engenhos naquele território e realizar novas performances e objetos com base neles. Além disso, seu plano prevê a interação com comunidades vizinhas aos engenhos e uma publicação.

O projeto culminará numa grande exposição individual em Salvador no ano que vem, a maior de Sant’Ana até agora —ele já apresentou individuais no Museu de Arte da Bahia, em Salvador, no Paço Imperial, no Rio de Janeiro, e no Senac Lapa Scipião, em São Paulo.

Outros projetos contemplados pela bolsa incluem uma colaboração entre atores e ativistas para documentar uma história alternativa das imigrações na Síria e esculturas sustentáveis num local histórico de resistência da Jamaica hoje ameaçado por políticas ambientais destrutivas.

Em nota, a diretora do programa de arte e cultura da Open Society, Rashida Bumbray, afirmou que o coronavírus, responsável por atrasar o calendário do programa e o anúncio dos bolsistas, tornou ainda mais relevantes as obras dos selecionados.

“A pandemia de Covid-19 e a percepção global das injustiças sistêmicas que ela acarretou chama atenção para as mesmas desigualdades sociais que as comunidades marginalizadas enfrentaram por gerações", ela afirmou.

"É por isso que o trabalho dos nossos bolsistas é tão urgente, uma vez que eles trabalham na linha de frente da cultura para desenvolver suas próprias narrativas e inspirar diálogos coletivos.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.