Secretário-adjunto da Cultura é exonerado pelo governo pela segunda vez

Pedro José Vilar Godoy Horta foi demitido na gestão de Regina Duarte, mas voltou quando Mario Frias foi nomeado

São Paulo

O então secretário-adjunto da Secretaria Especial da Cultura, Pedro José Vilar Godoy Horta, foi exonerado do cargo nesta terça-feira (14). A decisão foi publicada no Diário Oficial da União e ocorre após quase um mês da posse de Mario Frias na pasta.

Horta, que já havia sido exonerado deste mesmo cargo na gestão de Regina Duarte, em 15 de maio, voltou ao posto em 19 de junho, dia em que Frias foi nomeado para comandar a secretaria.

​O ex-adjunto já concorreu ao cargo de deputado estadual pelo Partido Trabalhista Cristão em 2010, mas não foi eleito. Horta também já foi suplente pelos partidos da Frente Liberal, o PFL, e da Social Democracia Brasileira, o PSDB.

Ainda não foi nomeado um substituto ao cargo que Horta ocupava na Secretaria Especial da Cultura. A exoneração foi assinada por Braga Netto, ministro-chefe da Casa Civil.

Mario Frias é a quinta pessoa escolhida por Jair Bolsonaro para comandar a pasta.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.