Descrição de chapéu Livros

Abaixo-assinado virtual critica imposto sobre livros e viraliza nas redes sociais

Mobilização é contra projeto do governo que tenta acabar com alíquota zero do mercado editorial

São Paulo

A reforma tributária proposta pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, tem causado polêmica nas redes sociais e inspirou a criação do abaixo-assinado virtual #DefendaOLivro, que já tem mais de 917 mil assinaturas.

Leitores, escritores e profissionais do mercado editorial criticam o texto de Guedes e pedem a continuidade da imunidade tributária no setor, garantida pela Constituição desde 2004.

O texto do Ministério da Economia não isenta os livros de pagarem a CBS, a Contribuição sobre Bens e Serviços, novo tributo que planeja unificar PIS e Cofins.

Em publicações nas redes sociais, os críticos à reforma enfatizam os fatos de que o setor editorial brasileiro vem enfrentando há anos uma crise financeira, intensificada agora pela pandemia do novo coronavírus, e de que a proposta pode encarecer o preço dos livros, tornando-os produtos elitizados.

"A CBS tem como pressuposto a não concessão de benefícios”, diz o ministério, em nota. “Nesse sentido, foram eliminadas as hipóteses de alíquota zero (eram mais de cem) antes previstas. Assim, foi também eliminada a alíquota zero que se aplicava nas operações com livros.”

A hashtag #DefendaOLivro tem ficado entre os assuntos mais comentados do Twitter nas últimas semanas. Veja a seguir algumas publicações que divulgam o abaixo-assinado e criticam a reforma tributária.

"Há mais de 60 anos defendendo o livro e a leitura", diz o perfil da Turma da Mônica no Twitter.

"Sem a isenção que hoje protege o mercado do livro, os títulos vão ficar mais caros —dificultando ainda mais o acesso à literatura e à cultura", afirma a editora Companhia das Letras em seu perfil no Instagram.

"Nós somos contra a taxação do livro no Brasil. Junte-se a essa luta, diga não ao imposto e defenda o livro", diz um tuíte da Saraiva.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.