Descrição de chapéu Televisão

Comediante Bill Cosby volta a recorrer da sua condenação por abuso sexual

Defensores do ator afirmam que juiz nunca deveria ter permitido testemunho de algumas mulheres que o acusam

Nova York | AFP

O comediante americano Bill Cosby apelou à mais alta corte do estado americano da Pensilvânia para que reveja sua sentença de três a dez anos de prisão por drogar e agredir sexualmente uma mulher há mais de 15 anos, de acordo com documentos apresentados à Justiça.

O novo recurso, que vem depois de o comediante perder um anterior em dezembro no Tribunal Superior da Pensilvânia, afirma que o júri de seu julgamento nunca deveria ter ouvido o antigo depoimento de Cosby aos procuradores, em que ele disse ter usado o sedativo e hipnótico Quaaludes com mulheres pelas quais ele estava sexualmente interessado.

Os procuradores prometeram a Cosby que ele nunca seria acusado, disseram seus advogados no recurso apresentado nesta terça-feira (11).

Eles também indicam que isso aconteceu "décadas atrás" e que não está relacionado ou comparável aos crimes pelos quais ele foi julgado.

Seus defensores também apontam que o juiz Steven O'Neill nunca deveria ter permitido o testemunho de outras cinco mulheres —além da acusadora, Andrea Constand— que disseram ter sofrido abusos em encontros com o ator ocorridos anos atrás.

Eles afirmam que, como resultado desses depoimentos, Cosby foi julgado como se fosse um "predador sexual", sem presunção de inocência, ou seja, não pelos crimes de que foi acusado, mas sim por sua conduta ao longo da vida.

O porta-voz de Cosby, Andrew Wyatt, disse à AFP que o ator não comentará sobre seu novo recurso.

O popular comediante de 83 anos, que rompeu as barreiras raciais com seu papel de pai e médico na série de TV de sucesso "The Cosby Show", foi condenado em 2018 por drogar e agredir sexualmente Andrea Constand em sua mansão na Filadélfia.

Foi o primeiro julgamento de uma celebridade e o primeiro veredicto de culpado por agressão sexual desde o início do movimento MeToo.

Apesar do fato de mais de 60 mulheres terem acusado Cosby de agressão sexual, ele só foi julgado sob a queixa de Constand.

Um julgamento anterior em junho de 2017 terminou anulado depois que o júri não conseguiu chegar a um veredicto unânime.

Doze mulheres que afirmam ter sido vítimas de Cosby entraram com processos civis contra o ator, buscando indenização por danos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.