Descrição de chapéu
Cinema

'Aos Olhos de Ernesto' tem conflito de valores temperado com humor

Filme de Ana Luiza Azevedo mostra jogo de confiança entre homem de 80 anos, quase cego, e garota de cerca de 20

Aos Olhos de Ernesto

  • Onde Now, Vivo Play e Oi Play
  • Classificação 12 anos
  • Elenco Jorge Bolani, Jorge D'Elía e Gabriela Poester
  • Produção Brasil, 2019
  • Direção Ana Luiza Azevedo

​De vez em quando há filmes que a gente não esquece, mesmo quando vistos décadas atrás. Um desses casos, para mim, é “3 Minutos”, curta-metragem de Ana Luiza Azevedo que se passava em exatos três minutos.

“Antes que o Mundo Acabe”, de 2009, não foi tão memorável assim, mas este “Aos Olhos de Ernesto” é uma outra volta no parafuso da mesma questão que propõe a autora –o tempo. O correr do tempo, o escoar dele, a sua perda, o seu reencontro.

É nisso que reside o essencial da trama que tem por centro Ernesto (Jorge Bolani, ótimo ator), um homem uruguaio de quase 80 anos que vive em Porto Alegre. Ernesto é, além disso, viúvo e quase cego, razão para que o filho insista em o levar a São Paulo para morar com ele.

Ernesto tem suas convicções. Ao contrário. Ao cruzar com a jovem Bia, papel de Gabriela Poester, Ernesto desconsidera os pequenos defeitos da garota e, especialmente, a enorme diferença de valores entre os dois. Bem natural, digamos, de passagem –um homem com quase 80 anos e uma garota com pouco mais de 20 veem o mundo de forma diferente, mas no essencial Ernesto parece discordar da mania de desconfiança que assola o país.

É armado então um jogo em que Ernesto deve ganhar a confiança de Bia, enquanto esta deve assimilar algumas ideias de Ernesto.

Nada disso, entenda-se, não é senão o pretexto para um filme de tempos longos, ao longo dos quais essa trama (e outras paralelas) vão se desenvolver.

Existe certa tensão ao vermos um velho quase cego entregue a uma menina que não parece inteiramente responsável, que é capaz mesmo de, na primeira visita, levar algum dinheiro da casa (dinheiro, diga-se, que ele deixou de propósito para a testar). Mas existe também humor, seja nas relações com o vizinho, também idoso, seja no fato de Bia ler as cartas que ele recebe e, por causa da deficiência visual, não consegue decifrar.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.