Descrição de chapéu The Wall Street Journal

Como o ícone Jimi Hendrix mudou a vida de um jovem arquiteto recém-formado

Especialista em acústica, John Storyk projetou em Nova York o estúdio de gravação da lenda da guitarra

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Steven Rosenbush
The Wall Street Journal

O arquiteto e especialista em acústica John Storyk teve sua primeira grande oportunidade aos 22 anos, quando projetou o Electric Lady Studios para Jimi Hendrix.

Mais de meio século depois, a acústica do estúdio ainda se prova superior à de locais projetados para acomodar tecnologias muito mais recentes, de acordo com Eddie Kramer, produtor e engenheiro de gravação que trabalhou com Hendrix, Led Zeppelin, Beatles, Rolling Stones, David Bowie e outros músicos.

Homem negro com cabelo black power toca guitarra
Músico americano Jimi Hendrix em 24 de maio de 1967 - AFP

A qualidade acústica do Electric Lady Studios reflete as características distintivas do espaço, que apresenta muitas curvas e um teto inclinado. É um espaço que revela a curiosidade de Storyk e sua capacidade de aprender fazendo, de acordo com Kramer.

Storyk conseguiu o contrato depois de uma sucessão de acontecimentos improváveis. Ele se formou na Universidade de Princeton em 1968, em arquitetura.

Certo dia, nas férias de verão daquele ano, ele estava em Nova York, esperando numa fila para comprar um sorvete, quando reparou em um anúncio de emprego no East Village Other, que procurava marceneiros dispostos a trabalhar de graça na construção de uma casa noturna nova e experimental.

Ele respondeu e se juntou ao grupo. O Cerebrum, a casa noturna underground inaugurada no Soho, se tornou sensação e apareceu na capa da revista Life.

Hendrix visitou a casa, que tinha promovido Storyk a arquiteto voluntário. Em 1969, Michael Jeffrey, o empresário de Hendrix, pediu que Storyk projetasse uma casa noturna para Hendrix, que tinha assumido a locação do Generation Club, em Greenwich Village.

Storyk, que tocava em uma banda de blues, havia ido muitas vezes à casa, e ficou muito entusiasmado ao descobrir que a edificação tinha sido projetada por Frederick Kiesler, que o havia influenciado quando estudante. Storyk concluiu os planos para a casa, e incluiu uma sala de controle nos fundos para gravações.

A construção estava em curso quando Kramer entrou em cena. Ele não gostou do que viu. Recorda-se de um lugar “escuro, cavernoso, meio demolido”, que sofreu uma inundação em meio às obras e estava repleto de destroços e ferramentas largadas. A verdade é que um tributário subterrâneo do rio Minetta fluía por sob o local.

Ele propôs uma mudança de planos. Kramer tinha ficado alarmado com os custos de gravação do disco “Electric Ladyland”, de Hendrix, então sugeriu que eles mudassem o uso do local e transformassem a edificação da rua “no melhor estúdio de gravação do planeta”, que serviria de lar a Hendrix.

Storyk, insatisfeito com a mudança nos planos, terminou por se acalmar quando o grupo pediu que ele projetasse o estúdio de gravação. O teto inclinado, cujo pé direito aumenta quase um metro, ajudava na acústica.

“Foi uma jornada maravilhosa para John. Ele realmente teve de dar um duro dobrado para fazer tudo que era necessário”, disse Kramer, que se tornou amigo de Storyk e é padrinho de sua filha. “O nível de energia de John era muito fantástico. O que mais me impressionava nele era que, se ele não sabia alguma coisa, logo procurava descobrir.”

Tradução de Paulo Migliacci

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.