Descrição de chapéu Cinema mostra de cinema

Neste Halloween, mostra digital gratuita traz mais de 40 filmes de terror nacionais

'MacaBRo', organizada pelo Centro Cultural Banco do Brasil, já começou e vai até o dia 23 de novembro

Uma mulher e um homem conversam nus e com sangue espirrado em seus corpos

Cena do filme cearense "O Clube dos Canibais" (2018), de Guto Parente Divulgação

São Paulo

​Começou nesta semana a mostra digital "MacaBRo – Horror Brasileiro Contemporâneo", com a sinistra tarefa de apresentar nada menos do que 44 produções, sendo que 27 delas são longas-metragens de terror rodados no Brasil –a maioria dos dois ou três últimos anos.

O festival vai até 23 de novembro, com a exibição de um longa e um curta por dia, além de eventuais debates e lives com diretores, produtores e atores, como Antonio Fagundes, às 19h, no dia 6 de novembro, e até cursos.

Promovida pelo Centro Cultural Banco do Brasil, pode ser vista nas plataformas do Darkflix, serviço de streaming pago e especializado em filmes de terror. Para ver a mostra, no entanto, não será preciso pagar nada. Basta se cadastrar no site ou no aplicativo da Darkflix e curtir.

“Aproveitamos para começar na última semana de outubro por causa do Halloween e do Dia dos Mortos”, diz o cinéfilo Carlos Primati, que divide a curadoria de "MacaBRo" com Breno Lira Gomes.

Uma moça triste se encosta numa grade ao lado de um rapaz
Cena de "Sem Seu Sangue" (2019), de Alice Furtado - Divulgação

Um dos destaques é “Sem Seu Sangue”, um filme de zumbis que passou no último Festival de Cannes. É o primeiro longa de Alice Furtado e terá exibição única a partir das 18h do dia 2 de novembro.

Como toda produção da mostra, ficará disponível para ser visto durante 24 horas. Mas, atenção, ele sairá da plataforma depois de 1.500 visualizações (outros têm um limite de 5.000 exibições).

Vale lembrar também o erótico, sanguinolento e político “O Clube dos Canibais”, do cearense Guto Parente (com exibições nos dias 8 e 18 de novembro, às 18h), e “O Cemitério das Almas Perdidas”, grande produção do diretor capixaba Rodrigo Aragão que fechará a mostra em 23 de novembro, às 18h.

Um homem está no meio de uma sala escura e, atrás de uma janela de vidro, uma morta o observa
Daniel de Oliveira em "Morto Não Fala" (2019), de Dennison Ramalho - Divulgação

Além dos longas, a "MacaBRo" apresenta quatro homenagens, uma em cada semana do período da mostra. Até o dia 3 de novembro, estão sendo exibidos sete títulos da produtora paraibana Vermelho Profundo.

De 4 a 10 de novembro, teremos seis filmes, entre longas e curtas, de Gabriela Amaral Almeida, diretora de “O Animal Cordial”, com Murilo Benício. Em seguida, é a vez de Dennison Ramalho, diretor de “Morto Não Fala”, com Daniel de Oliveira, que terá quatro filmes exibidos.

A última semana da mostra vai trazer quatro produções que orbitam José Mojica Marins, o Zé do Caixão. Uma delas é uma animação dublada pelo ator e diretor, “A Lasanha Assassina”, e outra é o último curta dirigido por ele, em 2015, chamado “O Saci”.

A programação completa da "MacaBRo" está disponível em darkflix.blog.br.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.