Descrição de chapéu
Cinema

Romance gay 'Verão de 85' é bom, mas tem muitas cenas tolas

Diretor François Ozon pode não ser o maior cineasta do mundo, mas está longe de ser bobo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Verão de 85

  • Quando A partir de 14 de novembro
  • Onde Festival Mix Brasil (online e no Cinesesc) e Festival Varilux de Cinema Francês (nos cinemas)
  • Preço Grátis (Mix Brasil) e pago (Varilux)
  • Classificação 14 anos
  • Elenco Félix Lefebvre, Benjamin Voisin e Philippine Velge
  • Produção França, 2020
  • Direção François Ozon
  • Duração 100 min.

Relações homossexuais já foram, um dia, só sugeridas através de relações heterossexuais; foram, um dia, matéria de filmes underground. Chegaram, por fim, à fase das ações afirmativas, ao pior momento, o das ações afirmativas –“Me Chame pelo Seu Nome”, “Moonlight – Sob a Luz do Luar”.

“Verão de 85” responde, de certa forma, a essa última tendência, já que o namoro e em seguida a paixão entre Alex, papel de Félix Lefebvre, e David, papel de Benjamin Voisin, muito raramente resvala para a pieguice habitual. É uma paixão. Como tal, se Alex fosse uma garota em vez de um rapaz, por exemplo, pouca coisa mudaria no essencial.

Ou seja, François Ozon pode não ser o maior cineasta do mundo, mas está longe de ser bobo. Digamos, aliás, que de seus filmes podemos esperar qualquer coisa –sua carreira às vezes parece uma montanha-russa. Ele se dá melhor trabalhando personagens como David, capaz de transmitir certo mistério, um não dito, a tudo que o cerca.

Talvez seja por isso que “Verão de 85” lembra, em certos momentos, o “Pacto Sinistro” de Hitchcock. A sombra da perversidade está lá —ainda que não se manifeste a não ser sutilmente, e isso se deve muito ao ator, Benjamin Voisin, que em certos momentos lembra o Jean-Paul Belmondo dos bons dias.

É por tratar de uma paixão homossexual que o filme de Ozon escapa —e não em poucos momentos— de ser uma “sessão da tarde”. O que quero dizer com isso é que, ao contrário dos filmes de “ação afirmativa”, Ozon não reivindica para seus amantes a “normalidade”. Ele sabe que não existe normal. Existem apenas normas que tornam certos atos normais ou não.

Essa virtude no trato da homossexualidade e da paixão pode desembocar no belo momento em que David recita alguns versos de Verlaine –a secura do amor de Verlaine por Rimbaud é extraordinária– como pode descambar para uns momentos românticos francamente tolos. É François Ozon, afinal.

Se evolui para o melodrama, “Verão de 85” tem o mérito de se propor, inicialmente, como um filme de mistério policial –o suspense envolvendo o silêncio de Alex a propósito de um crime que teria cometido– e se desviar do que parece óbvio como matéria ficcional. Narrar o filme com flashback é uma escolha que funciona bem e permite uma narrativa em que a clareza não encobre o mistério.

Se não reivindica a normalidade das relações entre gays, “Verão de 85” faz talvez melhor, ao reivindicar, sim, a naturalidade e a insânia que envolve esse tipo de afeto, como no mais de qualquer tipo de afeto. Essa naturalidade aqui se manifesta quase tão expressivamente quanto a de Andréa, a lésbica resolvida e nunca prosélita da bela série “Dix pour Cent”, disponível na Netflix.

É bem mais do que nada.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.