Descrição de chapéu
Filmes

'Freaky' une sangue e comédia em um dos melhores filmes do ano

Novo longa com Vince Vaughn é uma combinação poderosa de humor, terror e muita inteligência

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

FREAKY: NO CORPO DE UM ASSASSINO

  • Quando Estreia em 10 de dezembro de 2020
  • Onde Nos cinemas
  • Elenco Vince Vaughn, Kathryn Newton, Celeste O’Connor
  • Produção EUA, 2020
  • Direção Christopher Landon

Freaky: No Corpo de um Assassino” está entrando nas listas dos melhores filmes do ano que começam a pipocar nesta época na imprensa americana. Será que a pouca quantidade de lançamentos na temporada favoreceu essa pequena produção de comédia com tons de filme de terror?

Nada disso. Com assinatura Blumhouse, mesmo estúdio de “Corra!”, “Nós” e "O Homem Invisível", três thrillers dos mais inventivos dos últimos tempos, “Freaky” realmente é uma grande surpresa. Combinação poderosa de humor, sangue e muita inteligência.

Ambientada numa cidadezinha, a história começa com um serial killer entrando numa mansão e trucidando quatro adolescentes. O dono do local é um colecionador de antiguidades, entre elas uma adaga mística que teria sido usada em rituais por muitos séculos. O assassino resolve levar a preciosidade com ele.

Na noite seguinte, ele ataca a adolescente Millie, loirinha bonita e um tanto desajustada na escola, como pedem as convenções desse tipo de filme. Ela resiste ao agressor, os dois se atracam e o vilão acaba ferindo a menina no ombro. Aí os poderes mágicos embutidos na adaga fazem com que os dois troquem de corpo. O doidão fica no corpo da garota, e ela, como mesmo define, está presa dentro de “um velho grandalhão com dentes ruins”.

Com ajuda de seus melhores amigos (uma menina negra e um garoto gay, para contemplar a diversidade), Millie descobre a história por trás da lâmina enfeitiçada. Ela precisa ferir o corpo do serial killer com a mesma arma em menos de 24 horas para poder reverter a troca.

A partir desse mote absurdo, o diretor Christopher Landon cria uma comédia que evoca os filmes de adolescentes dos anos 1980. Seu roteiro é muito esperto. No corpo do assassino, Millie tem que se esconder porque a cidade inteira está atrás dele. Enquanto isso, o “Açougueiro”, como ele é chamado pela imprensa, se dirige para a escola da garota encarando todos os estudantes como um banquete para seus desejos assassinos.

Vince Vaughn é um bom ator de comédias, e este é seu melhor momento até agora. Ele interpreta os trejeitos da garota de 15 anos de um modo muito engraçado e convincente. A novata Kathryn Newton também acerta o tom, assimilando o jeitão zumbi do criminoso.

Muita gente pode enxergar a semelhança deste filme com “Sexta-Feira Muito Louca”, produção de 2003 na qual mãe e filha, interpretadas por Jamie Lee Curtis e Lindsay Lohan, também trocam de corpos. Essa comédia de muito sucesso parece ser realmente a motivação de Christopher Landon.

Seu filme anterior foi o ótimo “A Morte Te Dá Parabéns”, de 2017. Na trama, uma garota é assassinada na noite de seu aniversário, mas não morre. Ela volta a acordar na manhã daquele mesmo dia, é morta mais uma vez e retorna à fatídica manhã. Isso vai se repetindo até ela conseguir escapar de seu assassino.

Impossível não pensar em “O Feitiço do Tempo”, de 1993, o famoso filme do Dia da Marmota em que Bill Murray vive inúmeras vezes as mesmas 24 horas. Ou seja, Landon parece ter essa proposta ousada de adaptar filmes de outros gêneros para o terror.

“Freaky” é irresistível, utiliza personagens clichês de filmes de adolescente com criatividade e promove encontros entre a garota e o assassino com muita tensão e muito humor. E a solução final, que normalmente costuma ser calcanhar de Aquiles nesse tipo de filme, também é boa. “Freaky” continuaria sendo um dos melhores filmes do ano mesmo que a concorrência fosse bem maior.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.