Descrição de chapéu Obituário Eduardo Lourenço (1923 - 2020)

Morre Eduardo Lourenço, um dos maiores ensaístas de Portugal, aos 97 anos

Conhecido pelas análises certeiras da identidade lusitana, crítico foi muito além da filosofia e da literatura nos seus escritos

São Paulo

Considerado um dos maiores ensaístas portugueses, o escritor, crítico literário e filósofo Eduardo Lourenço morreu nesta terça (1º), aos 97 anos. Segundo o jornal O Público, a morte foi confirmada pelo governo de Portugal —Lourenço fazia parte do seu Conselho de Estado desde 2016—, mas a sua causa não foi informada.

O ensaísta português Eduardo Lourenço retratado em 1996 - Bernardo Ajzemberg/Folhapress

Lourenço nasceu em São Pedro do Rio Seco, a cerca de quatro horas de Lisboa, e se formou em ciências histórico-filosóficas na Universidade de Coimbra nos anos 1940. Ele se tornou professor logo depois da graduação e publicou o primeiro livro, "Heterodoxia", no final daquela década, reunindo parte da sua tese de licenciatura.

O autor foi muito além da filosofia, porém. Lourenço escreveu ensaios sobre literatura, cinema, música e artes plásticas. Com "Fernando Pessoa Revisitado", de 1973, se tornou incontornável para os estudiosos do poeta. Com frequência, aliás, mergulhou em autores do cânone lusitano, como o próprio Pessoa, Luís de Camões e Eça de Queiroz, para analisar a imagem que os portugueses fazem de si mesmos.

É esse, aliás, o assunto do seu livro mais famoso, "O Labirinto da Saudade - Psicanálise Mítica do Povo Português", de 1978. Lançado quatro anos depois do fim da ditadura salazarista, ele faz uma revisão da mitologia colonial de heroísmo dos portugueses, deteriorada naqueles tempos com as guerras para manter o domínio sobre Angola, Guiné-Bissau e Moçambique.

O nome do livro também batiza um documentário sobre Lourenço dirigido pelo cineasta Miguel Gonçalves Mendes –de "José e Pilar"– há dois anos.

Lourenço ganhou o prêmio Camões em 1996, e o Pessoa, em 2011. Mesmo tendo vivido no Brasil em 1958 e 1959, lecionando como convidado da Faculdade de Filosofia da Universidade da Bahia, e tendo lançado um livro com ensaios sobre o país, "Do Brasil: Fascínio e Miragem", seus títulos não são tão conhecidos entre leitores brasileiros.

Dois deles, "Mitologia da Saudade" e "A Nau de Ícaro", foram lançados pela Companhia das Letras, mas estão indisponíveis no site da editora. Mais recentemente, a editora portuguesa Tinta da China lançou por aqui "O Labirinto da Saudade" e "Fernando Pessoa Revisitado".

O presidente português Marcelo Rebelo de Sousa lamentou a morte de Lourenço em nota publicada no site do governo. “Eduardo Lourenço foi, desde o início da segunda metade do século passado, o nosso mais importante ensaísta e crítico, o nosso mais destacado intelectual público”, afirmou. “Aos seus familiares apresento as minhas sentidas condolências pela perda deste amigo, deste sábio, desta figura essencial do Portugal que vivemos.”

Também o primeiro-ministro António Costa lembrou o "amigo, um camarada" em nota. Ele disse que este momento é "um convite a conhecer a obra" do ensaísta e acrescentou que esta quarta (2) será um dia de luto nacional.

Erramos: o texto foi alterado

O nome do presidente de Portugal é Marcelo Rebelo de Sousa. O texto foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.