Elza Soares e Renegado cantam na Virada que 'carne negra não está de graça'

Show online aconteceu no Theatro Municipal, em transmissão com o palco mostrando a plateia vazia

São Paulo

Acompanhada de um time vigoroso, a cantora Elza Soares se apresentou na noite deste sábado (12), às 20h, como parte da programação da Virada Cultural. Ela apresentou o show “Onda Negra”, em parceria com o cantor e compositor Flávio Renegado.

Aos 90 anos, e cantando sentada como já vem fazendo desde 2017, Elza comandou uma performance empolgante. De cima de seu praticável centralizado no palco, reinou entre os cinco músicos.

Elza Soares e Flávio Renegado na Virada Cultural - Reprodução

“Onda Negra” aconteceu no Theatro Municipal, em transmissão com o palco virado, de modo que as câmeras também mostravam a plateia sem público, mas com um desenho de iluminação ao mesmo tempo impecável e eficaz em preencher o espaço.

O espetáculo abriu com “Coração do Mar”, apoiado em um sample de cordas. Ao vivo, a banda contou com percussão de Dalua e violão de J. P. Silva.

Elza seguiu com “Mulher do Fim do Mundo”, canção com o mesmo nome de seu 32º álbum de estúdio, lançado em 2015. Ao fim dos versos, Elza agradeceu à cidade de São Paulo, e disse se sentir honrada. “Amo você demais.”

O repertório trouxe “Volta por Cima”, de Paulo Vanzolini, samba com o famoso refrão sobre levantar e “sacodir a poeira”. “Dar a volta por cima que eu dei, quero ver quem dava”, cantou Elza, que também aproveitou para adaptar a letra para o gênero feminino.

Uma versão funkeada de “Juízo Final”, de Nelson Cavaquinho, antecedeu “Maria da Vila Matilde”, com seu refrão sobre “se arrepender de levantar a mão pra mim”. E que, não importa quantas vezes Elza a entoe, consegue arrepiar invariavelmente. “Denunciem, mulheres, por favor”, disse.

Em seguida, o roteiro veio com “Sei Quem Tá Comigo”, de Flávio Renegado. Aos 38 anos, o mineiro tem quatro discos gravados, o primeiro de 2008. Ele nasceu e cresceu na favela do bairro Alto Vera Cruz, uma comunidade de Belo Horizonte, e sua origem está frequentemente refletida em suas composições.

Em “Malandro”, de Jorge Aragão e Jotabe, Dalua tocou cuíca de joelhos ao lado de Elza. Um dos pontos altos foi também “Meu Guri”, de Chico Buarque, com Elza acompanhada do violão de Silva e inserções de Renegado na guitarra fazendo as vezes de um bandolim. Terminou aplaudida pela banda

Elza Soares e Flávio Renegado na Virada Cultural - Reprodução

“Renegado, o que precisamos fazer para não nos matarem mais?”, perguntou Elza. “Elzinha, nós temos que gritar por justiça e por respeito, porque a nossa carne não é mais a mais barata, nem está de graça. A gente vai continuar resistindo”, respondeu Renegado.

A dupla apresentou, então, “A Carne”, com a letra adaptada para o passado –“a carne mais barata do mercado foi a carne negra, agora não é mais”.

“Eu tenho um sonho, de poder ir ao mercado sem medo de bala perdida ou bala achada, sem medo de sofrer injustiça”, declamou o artista para abrir a sua “Black Star”. Em seguida, emendou com “Negão Negra”, single lançado em julho deste ano junto com Elza.

Elza Soares e Flávio Renegado na Virada Cultural - Reprodução

Na letra, um hino à resistência, é sublinhado o desejo de que “a escravidão não volte nunca, nunca, nunca mais”. A apresentação se encerrou com uma sequência de “Minha Tribo É o Mundo”, de Renegado, e da arrebatadora “Banho”, de Tulipa Ruiz.

No show anterior, o Terceiro Encontro Nacional de Mulheres na Roda de Samba, com participação de Martnália e Fabiana Cozza, Elza havia sido homenageada no encerramento, com “Lata D’água”.

A marchinha de Carnaval, composta há mais de 60 anos como crítica à falta d’água no Rio de Janeiro, foi eternizada pela cantora em sua carreira.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.