Descrição de chapéu BBC News Brasil Livros Clarice 100

Por que Clarice Lispector, uma escritora de difícil leitura, é uma das autoras brasileiras mais citadas na internet

Retirados de contexto, os textos da autora, que faria cem anos hoje, acabam lidos como mensagens edificantes, lições de vida e autoajuda

Vera Cruz | BBC News Brasil

Comparada a Virginia Woolf e James Joyce, considerada hermética, permeada por experimentação linguística, entrelinhas e "silêncios", com enredo praticamente inexistente e quebra das regras de pontuação —romance iniciando com vírgula e terminando com dois pontos, por exemplo— a obra de Clarice Lispector não é de fácil leitura.

Ainda assim, a escritora, cujo nascimento completa cem anos nesta quinta, dia 10 de dezembro, é uma das mais citadas na internet —mesmo que, paradoxalmente, muitos dos textos e frases atribuídos a ela não sejam seus.

Em seu livro "Para Amar Clarice - Como Descobrir a Apreciar os Aspectos Inovadores de Sua Obra", a escritora e professora de literatura Emilia Amaral escreveu que Clarice Lispector "viveu e escreveu sob os signos da fascinação e paradoxo: adorada por muitos, eleita como objeto de várias tendências críticas, ao mesmo tempo avessa a diferenciações de gênero, entre outras categorias classificatórias". "Bastante citada, adulterada, popularizada por um viés pseudofilosofante, a escritora é simultaneamente considerada hermética."

Nascida Chaya (ou Haya, para alguns) Pinkhasovna Lispector, em Chechelnyk, na Ucrânia, ela chegou ao Brasil ainda bebê, em 1922, com sua família que fugia para o Brasil devido à perseguição aos judeus depois da Revolução Russa de 1917.

Os Lispector chegaram a Maceió, de onde mudaram para o Recife, em 1924, e daí para o Rio de Janeiro, em 1935, cidade em que se estabelecem definitivamente.

No Brasil, os membros da família aportuguesaram seus nomes. O pai Pinkhas ou Pinkhouss passou a ser Pedro, e a mãe Marian ou Mania se transformou em Marieta. Das filhas, Leah virou Elisa; Tcharna, Tânia; e Chaya, Clarice.

Casada com um diplomata brasileiro, a escritora morou fora do país de 1944 a 1959 (Itália, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos), quando se separou e retornou ao Brasil, onde viveu até sua morte, em 9 de dezembro de 1977, um dia antes do seu aniversário de 57 anos.

Em relação à obra de Clarice, Noeli Lisbôa, mestre em teorias do texto e do discurso, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a UFRGS, diz que nos romances praticamente não há enredo.

"De tal modo que a escritora afirma em 'Água Viva': 'gênero não me pega mais', porque ela rompe realmente com a estrutura dos gêneros literários", afirma. "O que me interessa realmente na Clarice é o questionamento que ela faz da linguagem, de seus limites, de sua incapacidade de expressar a vivência humana. Há duas frases dela que são expressivas disso: 'viver não é relatável' e 'a realidade não tem sinônimos'. A obra dela me parece extremamente importante, porque é inovadora exatamente neste questionamento que faz da linguagem."

Segundo Amaral, autora do livro sobre Clarice, o que se destaca em sua obra é a interioridade das personagens, seus movimentos de alienação e de busca de transcendência.

"A palavra 'clariciana' quer ser a coisa que ela representa, daí a linguagem ser toda permeada por entrelinhas, por meio das quais se pretende ir além do dito", afirma, em entrevista à BBC News Brasil. "Trata-se de uma literatura metalinguística, que se indaga enquanto se realiza, conquistando tanto pelo processo do escrever quanto pelo produto: o texto."

Segundo o coordenador do programa de pós-graduação em letras da UFRGS, Antônio Marcos Vieira Sanseverino, na obra de Clarice, há um se voltar para dentro de si, para a experiência interior, para o impacto das coisas no mundo na subjetividade de suas personagens.

"Tal experiência interior, radicalmente posta, é desagregadora, pois revela a estranheza de cada um, aquilo que não corresponde aos papéis sociais vividos na rotina", afirma. "Em Clarice, é uma experiência de linguagem, ou de busca de uma linguagem capaz de dar conta dessa estranheza."

O professor Arnaldo Franco Jr., da Universidade Estadual Paulista, diz que Clarice Lispector está entre os grandes criadores no campo da literatura.

"Sua obra, marcada pelo hibridismo de gêneros, pela experimentação linguística, pela afirmação de uma ótica feminina contribuiu para ampliar os valores temático-formais do sistema literário brasileiro", afirma.

"Pode-se dizer que, a partir da tradução de seus textos, ela afetou também literaturas de outros países. Ela faz uma literatura que perturba o leitor, instalando uma perspectiva crítica em relação aos esquematismos, que coisificam o viver e alienam o ser humano do contato vigoroso consigo próprio, com o outro, com a vida."

De acordo com ele, talvez a grande marca da obra de Clarice Lispector seja a afirmação da liberdade de criar sem subordinação a normas, critérios e parâmetros idealizados do que deva ser o texto literário.

"Junto dessa afirmação, que afeta os planos temático e formal de sua literatura, afirma-se, também, uma desconfiança permanente em relação à linguagem, aos jogos de poder e hierarquia estabelecidos entre o eu e o outro, a valores e práticas idealizados socialmente", acrescenta.

Citações

Com essa complexidade toda de sua obra, muitos se perguntam por que ela é uma das campeãs de citações na internet. Há várias hipóteses.

"Isso ocorre porque há trechos de Clarice que, retirados do contexto, podem ser lidos como mensagens edificantes, lições de vida que, na maioria das vezes, dão a impressão de simplificá-la", afirma Franco Jr. "Mas, em vez disso, em geral, a adulteram e criam equívocos a respeito de sua arte."

De acordo com Sanseverino, há dois tipos de leitura para essa enxurrada de citações. "Na apresentação da nova edição do romance 'Água Viva', é contado que Cazuza teria lido a obra umas 111 vezes", diz. "Como Clarice traz para primeiro plano de sua obra uma experiência de linguagem que nos leva a pôr em xeque os padrões, sejam quais forem, quem busca se realizar fora do lugar social pré-determinado de família, de classe social, de gênero, tende a se encontrar na obra dela."

O segundo tipo de leitura, diz ele, é o das frases feitas, retiradas do contexto, que ganham a feição de máximas, provérbios, ditos. "Ela tem, de fato, frases lapidares", diz. "Assim, parece que há uma busca de epigramas 'claricianos', que sirvam para etiquetar uma vivência. Daí a autoridade da escritora, com a aura do mistério e de suas epifanias, em contribuir para a citação."

Segundo Franco Jr., a popularidade de Clarice na internet é um fenômeno que afeta a obra dela e, também, outros escritores e poetas, como, por exemplo, Caio Fernando Abreu, Carlos Drummond de Andrade e Luís Fernando Verissimo.

"As pessoas recortam trechos que as impactaram e lançam nas redes sociais", diz. "Descontextualizados, esses trechos acabam funcionando como máximas, 'ensinamentos' ou autoajuda. Qualquer obra literária está sujeita isso. Talvez uma outra razão para a escolha da obra de Clarice para este tipo de procedimento esteja no fato de que se trata de uma literatura marcada pela cogitação existencial."

A proliferação de citações de textos ou frases de Clarice Lispector, sejam dela mesmo ou atribuídas erradamente a ela, pode ser, no entanto, uma faca de dois gumes para a divulgação e conhecimento de sua obra.

"É bom e ruim ao mesmo tempo", diz Franco Jr. "O aspecto positivo está na própria divulgação do nome e da obra literária de Clarice Lispector, pois isso pode atrair novos leitores, gente que buscará ler os contos, os romances, as crônicas."

O lado negativo, segundo ele, diz respeito às distorções que isso pode gerar, como descontextualização e perda do sentido crítico dos textos, redução da obra à condição de texto de autoajuda, atribuição de falsa autoria a textos que ela nunca escreveu.

"Esse aspecto negativo cria episódios constrangedores, com pessoas citando textos falsos que ela nunca escreveu, por exemplo", explica. "E a atribuição de falsa autoria, a depender das circunstâncias, pode resultar em processo jurídico."

Segundo Lisbôa, da UFGRS, é sempre ruim quando textos são atribuídos equivocadamente a determinados autores porque isso não contribui em nada para o conhecimento da obra de ninguém. "Quando é uma obra boa, isso se caracteriza como uma injustiça ao verdadeiro autor; quando é uma obra ruim se configura uma injustiça com aquele a quem ela é atribuída."


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.