Descrição de chapéu
Livros

Edimilson de Almeida Pereira não relega poesia em primeiro romance

Prosa de 'O Ausente', estreia do autor no gênero, se consolida pela beleza no uso das palavras

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Beatriz Resende

O Ausente

  • Preço R$ 42,90 (124 págs.)
  • Autor Edimilson de Almeida Pereira
  • Editora Relicário

O mineiro Edimilson de Almeida Pereira é um dos poetas contemporâneos mais consagrados do Brasil hoje. Com vasta produção, apreciado e festejado, lança agora seu primeiro romance.

É também professor e ensaísta dedicado à cultura de origem africana, com trabalhos sobre o significado sociocultural do candomblé e a poética banto-católica do congado.

Tal trajetória importa ao ler “O Ausente” porque todas essas facetas estão presentes no romance. Só que ao nos referirmos à narrativa como romance, mais uma vez se revela a fragilidade dos conceitos classificatórios, limitadores diante de obras originais.

Se Edimilson se afasta da poesia, a poesia não deixa o autor. Seja na prosa atravessada pela beleza no uso das palavras, preocupação maior do próprio narrador que diz, “no quintal, um galo estourava a escuridão”. E mais adiante, “o mundo é a pedra de amolar a palavra”. Ou na inclusão de momentos de respiro na prosa: “Menos ainda, o que ensinei: nada ter/ dar-se/ jungir a si/ o/ eixo e a roda”.

Da pesquisa sobre cultura popular e regional, ficam marcos em que ecoa Guimarães Rosa: “A única maneira de tirar dos ombros o passado é contar outra vez o vivido, como se fôssemos outra pessoa.”

“O Ausente” é a moradia, o local onde se passam lembranças do homem que cogita enfrentar a morte, o ermo onde vivem Inocêncio, predestinado a curar os outros, o empelicado, e Deja, sua mulher.

Empelicado é a criança que nasce envolta pela bolsa amniótica, como se estivesse dentro de um invólucro. A esses nasciturnos são atribuídas propriedades mágicas como a de curar os outros. Djanira é uma dona de saberes, professora de crianças e de plantas.

A vida longe das cidades é dura, cercada de violência, rivalidades, vinganças e combates. A rudeza de Inocêncio contrasta com as habilidades da mulher, “minha amor”, capaz de usar as palavras e o conhecimento de formas amorosas, distante da dureza das viagens pelo interior, ao relento, pelas matas do companheiro. É resistência às agruras das viagens e lutas, dos rivais, as armas e as ciladas.

O empelicado sofre enquanto a vida passa diante de seus pensamentos atormentados, Deja, sua mulher, dorme sob os lençóis de algodão, o braço sobre seu ombro.

O que pode o amor contra os sofrimentos da vida narrada? Quem é afinal esse par, ele destinado a curar, em destino que não consegue cumprir, e ela, que o envolve nos braços? “Somos dois velhos negros azuis”, diz o narrador.

Pelos entornos passam os outros, parentes, compadres, poucos amigos, parceiros ou cúmplices. E gente que busca uma cura que não se realiza.

É na relação entre os que atravessam a história que surgem dificuldades no relato. Dos personagens que circulam na narrativa, as vozes não chegam a tomar corpo, suas falas não se relacionam com a do narrador. Respostas e dúvidas não se confrontam.

É só mesmo com a voz de Deja que o dialogismo interno se constrói. Só sua voz, forte ao final da narrativa, se ergue, impondo-se na construção de “O Ausente”.

Deja faz escolhas e penetra com suas decisões a fala do narrador: “São puníveis, as mulheres: herdam e não podem errar. Eu me lancei, fiz do arco meu impulso. Fui, irei”.

Com a personagem se constitui, então, o diálogo desejável na construção da forma escolhida, o romance, que aí se consolida em meio à beleza das palavras que circulam.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.