Descrição de chapéu jornalismo

Gregorio Duvivier escreve tercetos dantescos para celebrar 100 anos da Folha

Colunista se inspira em 'A Divina Comédia', de Dante Alighieri, no centenário do jornal

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

​No meio do caminho desta vida,

Encantei-me na selva com a Folha.

Não que fosse de todas a mais lida

mas era a mais querida pela bolha.

Comediante, me sinto tão carente

que fico em qualquer sítio que me acolha

Aprendi que o que une a nossa gente

é ter ódio e apego a esse edifício. ​

Foste tão superior ao concorrente

Que escolher-te não foi muito difícil.

Pros tais Frias sabemos que é fichinha

Quase nunca compensa o sacrifício

Ganham mais é vendendo maquininha.

'inda assim agradeço o ordenado

transferido até quando perco a linha.

Perdoem se fiquei muito irritado

(outros dirão: ficaste é irritante)

Quando vi defenderem o tal mercado

Esquecendo que o pobre do assinante

geralmente não é nenhum banqueiro.

Se o jornal atravessa claudicante

Um século de vida em fevereiro

É graças ao leitor, pobre mortal,

que te leva nas costas altaneiro.

Passarem-se 100 anos de jornal

que no Brasil são anos de cachorro.

Só 700 anos: nada mal.

Antes do próximo acho que eu morro.

Não resisto a mais um editorial.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.