Descrição de chapéu
Cinema

Série sobre acusações a Woody Allen toma só as dores de Mia Farrow

Documentário da HBO não passa de exercício de relações públicas com pouco de novo a dizer sobre história já antiga

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Allen v. Farrow

  • Quando Estreia domingo (21); novos episódios semanais
  • Onde HBO Go
  • Direção Kirby Dick e Amy Ziering

Com essa pandemia não dá mais para seguir a vida da vizinha, nem para fazer futrica com os colegas de escritório —e não se vive apenas de BBB. Deve ser por isso que a HBO pensou em dar novo sopro à briga “Allen v. Farrow”, ou Woody Allen, o cineasta, e Mia Farrow, a atriz.

Quando qualquer casal se separa, sai sujeira para todo lado. Quando o casal é Mia Farrow e Woody Allen, há um oceano de poluição em volta. A história vem dos anos 1990, quando o comediante resolveu trocar Farrow por Soon-Yi, filha adotiva da atriz, com quem teve um romance de vários anos.

O envolvimento com Soon-Yi começou quando ela já era maior, até onde se sabe, e Farrow não tinha nenhum laço oficial com Allen —os dois nem mesmo viviam juntos— de modo que a notícia “Woody Allen namora a enteada” não deu afinal nenhum grande escândalo (pequeno, sim).

Mas Farrow apareceu pouco depois com um vídeo em que sua filha também adotiva Dylan, que teria então uns seis ou sete anos, dizia que fora tocada em partes íntimas por Allen. Segundo ela, o cineasta se revelou um tarado. Segundo ele, Farrow era uma mulher ressentida. A história ficou bem conhecida, mas na época acabou ficando o dito pelo não dito.

mulher loira sorri para bebê loiro sentado no sofá
Mia Farrow e a filha Dylan em imagem de arquivo da série documental da HBO 'Allen v. Farrow' - Divulgação

Woody Allen se casou com Soon-Yi, já está quase nas bodas de prata, mas a história voltou à tona com o MeToo.

Desculpem por recordar o que todos já sabem, mas isso é lembrado com infinitos detalhes na série documental que a HBO acaba de lançar no país. São mais de quatro horas divididas em quatro capítulos. E, quatro horas depois, o espectador tem o direito de perguntar aonde afinal “Allen v. Farrow” o quer levar.

Assim como a autobiografia de Woody Allen, aqui também se nota que cada frase, cada fotograma, parecem ter sido examinados com lupa pelos advogados. No caso, os de Mia Farrow, pois o trabalho dirigido por Kirby Dick e Amy Ziering não deixa dúvidas sobre de que lado está.

O que tem de especial esse documentário? A música. Mais do que as imagens, mais do que as palavras, ela é que nos indica o que sentir. Há música de felicidade ingênua, de mistério, de tensão, melancolia, solidão, para reflexão etc.

À parte isso, existe Dylan Farrow. Hoje mulher feita, ela continua a sustentar que o abuso sexual de que teria sido vítima não foi uma fantasia infantil, tampouco foi posto em sua cabeça pela mãe. Allen, que só aparece em entrevistas a programas de TV, responde que aos 57 anos (quando teria acontecido o fato) era um pouco tarde para iniciar a carreira de pedófilo. Vá saber.

O documentário segue ao ritmo de insinuações que desembocam, naturalmente, no momento mais agitado do MeToo, onde qualquer dúvida equivalia a uma condenação eterna. Se toda a minissérie é, no conjunto, bem constrangedora, aqui os contornos que ganha são especiais, pois nos põem diante de uma fileira de atores e atrizes afirmando seu arrependimento por ter trabalhado com Woody Allen.

É pelo menos patético. Pessoas que trabalharam com Woody Allen quando o processo estava fechado, sem que o diretor tivesse culpa reconhecida, aparecem para pedir desculpas por ter trabalhado com ele, restituem o salário para a caridade, esse tipo de coisa.

Pode ser ridículo, mas deixa claro que no mundo hollywoodiano as relações públicas são decisivas. E, a rigor, esta série documental não passa disso, de um exercício de relações públicas, tanto quanto a autobiografia de Woody Allen, embora sem humor.

Há momentos de documentação familiar abundante, como por exemplo, Woody Allen brincando com os filhos de Mia Farrow. É uma pena que, aqui, tais momentos sirvam apenas para sugerir que tal intimidade seria, desde sempre, reprovável. De todo modo, não deixa de ser interessante que Farrow tenha documentado com tal intensidade sua vida e sobretudo a de seus filhos na casa no estado de Connecticut.

Mas isso surge no meio de um documentário com pouco de novo a dizer sobre essa história já antiga. Se, ao que parece, mesmo o MeToo acabou se enchendo dela, resta aos documentaristas encaminhar as coisas para o lado de Dylan Farrow, para o seu sofrimento, que permanece seja pelo abuso sofrido (supostamente ou não) seja porque ninguém ou quase ninguém acredita nela (ou ela assim o sente).

Tudo se trata, enfim, de soprar as cinzas desse caso, trabalhar um pouco o melodramático e induzir o espectador a tomar partido. Vale mais fuxicar sobre os vizinhos ou torcer para A ou Z no BBB.

Erramos: o texto foi alterado

Dylan Farrow é filha adotiva, e não biológica, da atriz Mia Farrow. A informação foi corrigida.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.