Sexto volume da Coleção Folha revela multiplicidade inspiradora das mulheres

Grandes figuras femininas são tema de série editada com imagens feitas por profissionais do jornal

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Alunas em classe de meninas em Caraguatatuba (SP), em março de 1955 Folhapress

Alunas em classe de meninas em Caraguatatuba (SP), em março de 1955 Folhapress Folhapress

São Paulo

As mulheres são cada vez mais múltiplas, apesar da persistência de rótulos machistas que as tentam classificar de um jeito ou de outro.

Essa frase é do texto de abertura do volume da Coleção 100 Anos de Fotografia – Pelas Lentes da Folha, que chega às bancas no dia 4 de abril. Escrita pelo jornalista Naief Haddad, um dos curadores da coleção, define de forma exata a proposta do sexto livro da série, “Brasileiras – Mulheres Inspiradoras”.

Composta por dez volumes, é a primeira coleção editada pela Folha exclusivamente com imagens captadas por seus profissionais, escolhidas entre as mais de 2,5 milhões de fotos do acervo do jornal. É um tributo a esses nomes do fotojornalismo que criaram uma linguagem visual própria e impactante.

A foto na capa de “Brasileiras – Mulheres Inspiradoras” parece simbolizar a trajetória feminina na história do Brasil. Registrada em abril de 1960, mostra quatro mulheres estendendo uma faixa com a frase “Rumo a Brasília” sobre o capô de um fusca. No dia 21 daquele mês, a capital federal foi oficialmente inaugurada por Juscelino Kubitscheck.

A foto mais antiga entre as 42 reunidas no volume é de 23 de novembro de 1921. É um retrato de Ilara Gomes Grosso, de 14 anos, apontada como um grande talento no piano e que faria um recital em Campinas, no interior paulista.

A escritora Carolina Maria de Jesus, em 1958 na favela do Canidé, às margens do rio Tietê, em São Paulo (SP),
A escritora Carolina Maria de Jesus, em 1958 na favela do Canidé, às margens do rio Tietê, em São Paulo (SP), - Audálio Dantas/Folhapress

A seleção contempla mulheres famosas e anônimas. As fotos estabelecem conexões relevantes na busca de direitos das mulheres. Como as imagens, lado a lado, de uma eleitora votando nas eleições de 1976 e da multidão no largo São Francisco, em 1984, em passeata das Diretas Já.

Os retratos elencam personalidades bem diferentes, mesmo quando reúnem expoentes de uma mesma arte. A escritora Carolina de Jesus aparece em foto de Audálio Dantas, de 1958, dois anos antes de lançar seu primeiro livro, “Quarto de Despejo”.

Cora Coralina, autora destacada na literatura nacional, está em foto de Matuiti Mayezo, em 1983. E Clarice Lispector posa para foto em 1975.

Vendidos por R$ 24,90, os volumes da coleção oferecem um pôster em papel especial, que pode ser enquadrado como item decorativo. Neste livro, a imagem é de uma classe de meninas em Caraguatatuba (SP), de março de 1955, que mostra as garotas com laços nos cabelos. O ornamento fazia parte do uniforme escolar.

Num grupo de fotos de 1956 a 1966, mulheres são exibidas em atividades científicas e industriais, como pesquisadoras no Instituto Adolfo Lutz ou funcionárias testando a resistência de materiais numa fábrica de dentes plásticos.

Rostos conhecidos formam boa parte do material. A escolha contempla a cena política, com imagens da presidente Dilma Rousseff, da ministra Cármen Lúcia, do STF, e da vereadora Marielle Franco.

Nomes das artes marcam presença, como as cantoras Elis Regina e Elza Soares, a atriz Zezé Motta, a pintora Tarsila do Amaral e a cartunista Laerte. Outra imagem presta tributo a uma pioneira no esporte, a nadadora Maria Lenk, a primeira sul-americana a participar de uma Olimpíada, em 1932, em Los Angeles.

0Mulheres fazem passeata pelas Diretas Já! no Centro de São Paulo
Mulheres fazem passeata pelas Diretas Já! no Centro de São Paulo - Paim de Souza/Folhapress

Uma das fotos de maior repercussão na história da Folha, feita em 1992 por Pisco Del Gaiso, foi premiada internacionalmente. Mostra uma índia da tribo Guajá, no Maranhão. Com o filho no colo, ela amamenta um filhote de porco do mato. Prática comum na aldeia, após uma caçada os filhotes órfãos são levados e criados como filhos.

28.fev São Paulo
7.mar Transportes
14.mar Infância
21.mar Cotidiano
28.mar Comércio
4.abr Brasileiras
11.abr Trabalho
18.abr Manifestações
25.abr Imigrantes
2.mai Nostalgia

Coleção 100 Anos de Fotografia - Pelas Lentes da Folha

  • Onde Compras pelo site folha.com.br/100anosdefotografia
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.