Descrição de chapéu
Livros

Bosi fazia mágica ao misturar literatura aos estudos do capitalismo

Da cultura extraordinária do crítico, morto nesta quarta, nasceram algumas das interpretações mais originais

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Lilia Moritz Schwarcz

Antropóloga e historiadora, é professora da USP e da Universidade Princeton. É autora de 'Sobre o Autoritarismo Brasileiro' e 'Enciclopédia Negra', este com Flávio Gomes e Jaime Lauriano

Pedro Meira Monteiro

Diretor do Departamento de Letras em Português e Espanhol da Universidade Princeton. É autor de 'A Queda do Aventureiro' e 'Conta-Gotas: Máximas e Reflexões'

Com a pandemia se desenvolvendo de forma desenfreada e sem controle no Brasil, andamos perdendo vozes fundamentais na defesa da nossa tão combalida democracia. É o caso de Alfredo Bosi, que ocupou um lugar único na crítica literária brasileira.

Descendente de italianos do Vêneto, Bosi começou sua carreira acadêmica dando aulas de literatura italiana na Universidade de São Paulo, para onde levou seu amor pela poesia de Leopardi e pelos personagens angustiados de Pirandello.

Bosi também fazia mágica ao misturar um autor como Croce, com sua ideia do sopro vital movimentando a literatura, e Gramsci, com sua atenção às contradições da sociedade capitalista incrustadas na cultura, mas também à ideia de resistência.

alfredo bosi em parque
O crítico literário Alfredo Bosi, morto nesta quarta-feira - Pedro Meira Monteiro

Desse caldo improvável, bem como de uma cultura literária e filosófica extraordinária, vasta e profunda, assim como de uma militância constante contra a ditadura, nasceram algumas das interpretações mais agudas e originais da literatura brasileira e universal. Vieira, Machado de Assis, Rosalía de Castro, Cecília Meireles, Antonil, Nabuco, Graciliano, Lima Barreto —a lista é interminável.

Interessava a Bosi entender como a liberdade era escavada na escrita, algumas vezes de forma aberta, outras vezes de forma contida e recôndita como se os compromissos e a situação social e política fossem uma força operando dentro do sujeito, ao mesmo tempo contra e a favor dele. O mestre também não opunha a estética à política e aos aspectos sociais. Ao contrário, era essa a sua “dialética”.

Essa contradição fundamental foi explorada em aulas na USP, já como professor titular de literatura brasileira, ao longo das décadas de 1970 e 1980, bem como no Instituto de Estudos Avançados, da mesma universidade.

O resultado dessa militância do espírito, alerta dentro e fora da sala de aula, foi um livro que se tornaria um dos grandes clássicos da historiografia literária brasileira, "Dialética da Colonização", publicado pela primeira vez em 1992.

Ali podem ser sentidas as principais linhas de força de sua interpretação, que estão também em outros livros, anteriores e posteriores, como "O Ser e o Tempo da Poesia", de 1977, com nova edição em 2000, "Literatura e Resistência", de 2002, e "Ideologia e Contraideologia", de 2010.

Neles, a resistência não é vista necessariamente como ato heroico e por vezes isolado, mas como uma forma complexa de insurgência, muitas vezes torturada, sentida como contradição.

As forças presentes no interior da pessoa, presas, mas capazes de atravessar a frestra da sua máscara social, o emocionavam muito. Talvez a figura de Eugênia, nas "Memórias Póstumas de Brás Cubas", seja uma das que mais o fascinavam. “Triste como os enterros pobres, solitária, calada, laboriosa”, até que viesse “para esta outra margem”, escreve o defunto autor.

Aí estava um pensamento dialético, combinado a uma sensibilidade fina e um profundo saber histórico que superava, de longe, dicotomias fáceis como pessimismo resistente ou otimismo falastrão; negatividade diante do passado ou confiança cega no progesso. Bosi, tal qual equilibrista, era avesso à mística das ideologias, mas guardava seu afeto pelos projetos de literatos, pelas palavras deles, também entendidos como agentes sociais.

O professor viveu essa forma de resistência e de empatia irrestrita pelos pobres. Uma simplicidade franciscana o unia, em amor completo, a sua querida Ecléa, morta em 2017, leitora profunda da poesia que ambos amavam, e ela mesma poeta cujo trabalho Bosi recentemente recuperou e tornou público.

Já o mestre buscou pelo “ser da poesia” —a imagem que “busca aprisionar a alteridade estranha das coisas e dos homens”. O casal era alimentado pela docência e pelo bom conhecimento. Ecléa era professora do departamento de psicologia, Bosi do departamento de letras, ambos da USP. Os dois lidavam, cada um à sua maneira mas em conjunto, com as tantas memórias que esse Brasil costuma esquecer e deixar passar.

Um detalhe engraçado –em 2008, quando foi lançado seu primeiro livro em inglês, Bosi fez sua única visita aos Estados Unidos, mas apenas depois de se certificar de que George W. Bush deixara a Casa Branca.

Entrando em Nova York pela ponte do Brooklyn, ao entardecer, seus olhos se iluminaram. “Essa paisagem mágica que conhecemos do cinema”, disse ele. Encontrou tempo para passear, comprar um presente para Ecléa, e refletir sobre aquela sociedade que via com tanta suspeita, mas cuja complexidade ele também reconhecia. Em Princeton, conheceu Ricardo Piglia e Arcadio Díaz-Quiñones, com quem descobriu afinidades profundas.

Na chácara em que moraram por muito tempo, em Cotia, na Grande São Paulo, Ecléa plantou uma giesta —a flor que, num poema de Leopardi, sobrevive à beira do Vesúvio, “amante de lugares do mundo abandonados, e de infelizes fados companheira”.

Bosi lembrou o fato quando recebeu o título de professor emérito na USP, em 2012. A imagem da giesta atravessa sua obra e seu espírito, clara e potente, como se nela se contivesse a força insuspeitada da resistência que foi tema e prática na vida de Alfredo Bosi.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.