Descrição de chapéu Cinema festival de veneza

Roberto Benigni, de 'A Vida é Bela', receberá Leão de Ouro no Festival de Veneza

Cineasta italiano será homenageado por sua trajetória em evento, marcado para setembro deste ano

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Roma | AFP

O famoso cineasta italiano Roberto Benigni receberá o Leão de Ouro na 78ª edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza, que será realizada entre os dias 1º e 11 de setembro, informaram os organizadores do evento nesta quinta-feira (15).

"Desde o início, que aconteceu em nome de uma onda inovadora e desrespeitosa de normas e tradições, Roberto Benigni se consolidou no panorama do entretenimento italiano como uma figura de referência, sem precedentes e incomparável", escreveu Alberto Barbera, diretor do festival.

Homem branco usa roupa preta formal em tapete vermelho. Ele sorri e abre suas mãos
O cineasta italiano Roberto Benigni na 71ª edição do Festival de Cannes, em 13 de maio de 2018 - Alberto Pizzoli / AFP

O diretor, ator e roteirista italiano, de 68 anos, alcançou a fama mundial com seu premiado filme "A Vida é Bela", de 1997, que retrata um judeu italiano dono de uma livraria que usa sua imaginação fértil para proteger seu pequeno filho dos horrores de um campo de concentração nazista.

O filme, vencedor do grande prêmio do júri no Festival de Cannes em 1998, recebeu em 1999 sete indicações e ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro e de melhor ator.

"Meu coração está cheio de alegria e gratidão. É uma honra imensa receber um reconhecimento tão alto pelo meu trabalho no Festival Internacional de Cinema de Veneza", comentou Benigni ao receber a notícia.

"Com admirável ecletismo, sem nunca desistir de ser ele mesmo, deixou de assumir o papel do ator cômico mais extraordinário da rica galeria de intérpretes italianos para ser um diretor memorável capaz de fazer filmes de enorme impacto popular, para depois se tornar definitivamente o maior intérprete e divulgador da 'Divina Comédia', de Dante", resumiu Barbera.

Autor de vários filmes, entre eles "Johnny Stecchino", de 1991, "O Tigre e A Neve", de 2005, recentemente foi premiado como melhor ator coadjuvante no papel de Geppetto, por "Pinóquio", de 2019 do diretor italiano Matteo Garrone.

Mulher e homem brancos sentados lado a lado. Ele olha para ela, que tem expressão facial pensativa
O ator Roberto Benigni e a atriz Nicoletta Braschi em cena do filme 'A Vida É Bela' - AFP

Em 2008, recebeu o César honorário, em Paris, e em 2020 recebeu o prêmio Lumière pela trajetória, entre os inúmeros reconhecimentos internacionais que já obteve.

Conhecido pelo cinema americano após protagonizar filmes de autores como Jim Jarmusch e Woody Allen, ele é um dos poucos artistas italianos que "soube fundir sua explosiva comédia, muitas vezes acompanhada de uma sátira irreverente, com admiráveis dotes de atuação, ao serviço de grandes diretores como Federico Fellini, Matteo Garrone e Jim Jarmusch, além de ser um intérprete literário contundente e refinado", reconhece Barbera.

Nascido em Misericordia, na região italiana da Toscana, em 1952, Benigni começou sua carreira artística no início da década de 1970 e logo se tornou um dos atores, diretores e roteiristas italianos mais populares. Benigni conseguiu seus primeiros sucessos no teatro de vanguarda e depois em programas de televisão, alcançando mais tarde o cinema. Desde 1987, trabalha junto com a atriz Nicoletta Braschi, sua mulher.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.