Descrição de chapéu twitter

Secretário da Cultura Mario Frias bloqueia conta da Ilustrada no Twitter

Banimento acontece após a publicação de uma série de reportagens sobre a Lei Rouanet pelo jornal

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O Secretário Especial da Cultura do governo federal, Mario Frias, bloqueou a Ilustrada, a editoria de cultura da Folha, no Twitter.

Também foram bloqueados outros jornalistas da editoria —todos cobrem o mandato do ex-ator de "Malhação" à frente da pasta.

Isso significa que, para visualizar as postagens de uma das principais autoridades da Cultura no país, um servidor público, é preciso se desconectar da rede social e só então acessar seu perfil, que é aberto.

Mario Frias bloqueia Ilustrada no Twitter
A conta da Ilustrada bloqueada no Twitter de Mario Frias - @folhailustrada no Twitter

O bloqueio ocorre num contexto de uma série de reportagens sobre a Lei Rouanet. Nas últimas semanas, o principal mecanismo de fomento às artes no país sofreu o desmonte de uma comissão da sociedade civil que analisava os projetos que buscam aprovação para captar dinheiro público.

A tática de bloquear jornalistas no Twitter, dificultando o trabalho da imprensa, tem sido usada por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

Em dezembro do ano passado, por exemplo, o repórter Rodrigo Carvalho, da Globo, foi bloqueado pelo mandatário na rede social após o questionar sobre quando a população brasileira seria vacinada. Repórteres do site The Intercept, como o jornalista Leandro Demori, também foram bloqueados pelo presidente.

A tática de banir profissionais da imprensa foi muito difundida por Donald Trump, que bloqueou uma série de jornalistas do Twitter —plataforma na qual era muito ativo, como Bolsonaro— quando era presidente. Esses repórteres geralmente faziam uma cobertura crítica ao governo do republicano.

Em julho de 2019, um tribunal de apelação americano determinou que Trump estava violando a Constituição do país ao bloquear esses usuários.

A decisão, tomada de forma unânime por um colegiado de três magistrados, afirmou que, uma vez que o presidente utilizava seu perfil na rede social para tratar de assuntos do governo, ele não poderia impedir americanos de lerem suas publicações ou de participar de discussões nas postagens sob a justificativa de não gostar dessas opiniões.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.