Descrição de chapéu Livros

Livros tiram a ferrugem da crítica e da história da literatura no Brasil

Luís Augusto Fischer e Luiz Maurício Azevedo recusam nacionalismo e questionam interpretações soberanas

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A crítica literária segue modas, sem nunca avaliar o mérito de teorias que são repetidas a torto e a direito. Essa é a avaliação de dois especialistas que acabam de lançar livros que buscam mexer nessa estrutura que vem juntando pó.

Em “Duas Formações, Uma História”, o professor de literatura brasileira da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Luís Augusto Fischer reavalia pensadores importantes para buscar uma nova forma de fazer história da literatura.

Já o escritor, editor e pesquisador da USP Luiz Maurício Azevedo busca, em “Estética e Raça”, tornar visível o que foi invisibilizado e recuperar a historicidade da literatura negra com uma crítica à crítica literária brasileira.

A partir de uma revisita a dois pilares dos estudos de literatura no Brasil, Antonio Candido e Roberto Schwarz, objetos de escrutínio, Fischer puxa outros pensadores do campo, põe de lado o nacionalismo que formou nossa história da literatura e recorre ao historiador Jorge Caldeira e ao antropólogo Eduardo Viveiros de Castro para propor um outro caminho.

“Continuamos pensando a história da literatura como se pensava desde que ela nasceu, entre os séculos 18 e 19”, diz Fischer, “no contexto da definição dos estados nacionais modernos, quando a literatura era uma linha auxiliar do nacionalismo”.

Para ele, é preciso antes de tudo se livrar do fantasma do nacionalismo, que, mesmo na melhor versão da história da literatura brasileira, como no caso de Candido, é o ponto a partir do qual tudo se organiza. Fischer não abre mão, porém, de um recorte nacional, que é, segundo ele, um entre outros recortes possíveis, mas que pode ajudar o encontro do leitor com nossa literatura, ao mostrar marcos de uma história nacional.

Ele chega então a uma história marcada por duas grandes forças, a que ele chama plantation e sertão. “Elas não são camisas de força, mas forças históricas que estão atuando, que dependem de ondas, de fluxos e refluxos”, diz.

A plantation tem como ponto zero a carta de Pero Vaz de Caminha e é marcadamente litorânea, escravista, latifundiária, monocultora e exportadora, já no sertão, o ponto zero é a tradição oral e é marcada pelo interior do país, pelas extensas redes de pequeno comércio, com diversos arranjos sociais e menor presença de escravos.

Ainda que nos anos 1980 e 1990 essa dualidade tenha se arrefecido, diz Fischer, as duas forças seguem em atuação. “Quem diria que ‘Torto Arado’ faria tanto sucesso hoje? E é um romance do sertão. Essa dualidade já foi mais forte, mas ainda há coisas estridentemente sertão ou plantation.”

A história proposta por Fischer não é composta de nomes e obras, ainda que ele aponte o ponto alto dessas duas matrizes históricas. Machado de Assis é o da plantation e Guimarães Rosa, o do sertão.

Ele diz se afastar da ideia de um cânone, já que sua preocupação é menos ter uma lista final de autores e mais entender o processo de constituição do cânone brasileiro. O esforço que vemos hoje para que autores que ficaram esquecidos pelo caminho sejam levados ao lugar de destaque que mereceriam é visto por Fischer, porém, como menos revolucionário do que se pensa ser.

“Muitas vezes aconteceu isso de redefinir o passado em função do presente. Na Independência foi assim, eles olharam para trás e pensaram quem eram os escritores que deviam entrar. Não era a mesma coisa, mas era parecido, o presente relendo o passado e refazendo o cânone”, diz.

Tudo a Ler

Receba toda quinta sugestões de leituras e novidades da literatura em seu email

Luiz Maurício Azevedo defende que haja um cânone, ainda que diga acreditar que ele seja “só um cadáver que anda por aí”. “No Brasil as pessoas não sentem a pressão do cânone, porque elas nem sabem o que é cânone”. Para ele, a ideia é positiva na medida em que garante o mínimo que uma pessoa deva ler. “O cânone é o piso, é a coisa que todos vão ler, com a qual vamos começar os cursos, mas não é a relação máxima do brasileiro com a literatura”, diz.

Há, contudo, segundo Azevedo, um problema: “quem escolheu esses livros e se eles de fato representam um mosaico das experiências possíveis da literatura”. O olhar crítico brasileiro, que determina o que vai e o que fica, porém, é marcado por quem são os críticos.

“O pensador brasileiro é, via de regra, um homem branco, pretensamente heterossexual, que ocupa uma centralidade social na cultura brasileira, e ele arrasta para seu olhar crítico a maneira como enxerga o mundo, que contamina como enxerga a obra.” É bem verdade, diz Azevedo, que não existe esse olhar neutro, contudo, e aí mora o maior erro dos críticos, “eles colocam como neutralidade aquilo que não é neutralidade, mas compromisso com sua classe”.

Azevedo diz em seu livro que as produções literárias de autores negros “recebem um tratamento que ora é de vilipêndio ora é de adulação acrítica”. Para ele, a crítica tem por função apagar esses autores, para que o Brasil seja um país de autores homens brancos que, “acidentalmente, são parecidos com quem critica”. “É muito diferente fazer a crítica de um objeto que já é considerado, de saída, importante e fazer a crítica de um, de saída, desimportante”, diz.

Comparar o tratamento dado a dois autores pode mostrar como a diferença funciona. “Dizem que é preciso ler Carolina Maria de Jesus porque ela era uma catadora pobre, então o peso da biografia importa, mas quando falamos que Monteiro Lobato era racista aí dizem que devemos separar o autor da obra”, diz Azevedo. “Em Carolina não dissociamos a biografia da estética, mas no Lobato temos que? Por que não vale o mesmo critério para os dois autores?”

Assim, diz ele, estamos há 40 anos dizendo que Carolina precisa ser reconhecida pela crítica, discutindo sempre as mesmas questões, e não se conseguiu ainda que ela seja posta sob o escopo real da crítica, pelo valor que seu trabalho de escrita tem.

Nega-se ao autor negro a arte e, assim, recusa-se a avaliação de seu livro pelo aspecto estético, e se instrumentaliza sua obra. “O grande argumento para se ler um bestseller negro é ‘esse livro é necessario’. Mas só usamos a instrumentalidade para a literatura negra, que é incentivada inclusive por pessoas que pretensamente estão defendendo essa literatura.” Sem dimensão estética, resta ao escritor negro apenas que se fale de suas vendas.

O caminho para a mudança, segundo Azevedo, é o da crítica levada a sério, que avalie os objetos literários a fundo, sem medo de dizer o que é boa literatura ou não. “Avaliamos bem os autores que dizemos que avaliamos bem ou construímos uma imensa máquina de reprodução de interpretações de pensadores nos quais confiávamos, como Antonio Candido e Roberto Schwarz, e assim fomos só reproduzindo?”, pergunta.

Para Fischer, o cenário vem da precariedade da vida universitária no Brasil, em que a discussão não é comum, ao contrário do egocentrismo. “As posições vão mudando de acordo com a moda acadêmica sem que avaliemos o mérito delas”, diz.

O fantasma do nacionalismo é um assombro também segundo Azevedo. “E se a literatura que consideramos importante for apenas ruim, e nós, a fórceps, dissemos que era boa porque queríamos edificar um país, porque queríamos ser tão grandes quanto outros e pegamos autores meias-bocas e dissemos que eram maravilhosos?”

Estética e Raça: Ensaios sobre a Literatura Negra

  • Preço R$ 34,90 (138 págs.)
  • Autor Luiz Mauricio Azevedo
  • Editora Sulina

Duas Formações, Uma História - Das Ideias Fora do Lugar ao Perspectivismo Ameríndio

  • Quando Nas livrarias dia 16 de agosto
  • Preço R$ 79,90 (400 págs.)
  • Autor Luís Augusto Fischer
  • Editora Arquipélago Editorial
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.